sexta-feira, julho 27, 2012

Apicultura

Sociedade (JF Diário) 25 Jul 2012, 14:46h Produçao de mel. Região com grande potencial Apicultura está a receber sangue novo Na Malcata e no Tejo Internacional estão a instalar-se dezenas de novos apicultores com projetos empresariais para a produção do mel A APICULTURA está a crescer na região. As três associações que gerem as zonas controladas no distrito de Castelo Branco falam de um “crescimento na produção de mel” e de “um aumento do número de apicultores”. Seja para dar gosto ao gosto, seja por um objetivo de comercialização, a existência de infraestruturas de extração do mel na região, localizadas em Penamacor, gerida pela Meimocoop, Castelo Branco (a abrir brevemente), gerida pela Melgatus, e no Fundão, pela Pinus Verde, tornam possível transformar esta atividade amadora num projeto cada vez mais empresarial. Luís Moreira, um jovem de 28 anos, licenciado em Engenharia Florestal é um desses casos. Desde pequeno que acompanha o pai, Carlos Moreira, apicultor há 30 anos, no trabalho da produção de mel em Alfrivída, no concelho de Vila Velha de Ródão. Começou por ter meia dúzida de cortiços mas hoje tem perto da aldeia 30 colmeias cujo mel serve para consumo doméstico e para oferecer a familiares e amigos. O trabalho do apicultor é diário e não apenas por altura da extração do mel, de maio a setembro, quando as abelhas mais trabalham. “Não é só nestes meses que se tem mais trabalho. No resto do ano é preciso alimentar as abelhas, porque existem menos flores”, conta Carlos Moreira. O alimento resume-se a mel, a polen ou açúcar que permite que a colmeia não morra. A atividade vai ter continuidade com o filho. “É um rapaz que me acompanha desde os oito anitos e gosto de ver que ele gosta disto”, diz com orgulho. Luís Moreira prepara-se para aumentar a produção de mel graças a um projeto que conta com apoio do Proder. O investimento que ronda os 80 mil euros prevê o aumento da capacidade de produção de 30 colmeias de uma produção de 200 quilos de mel para 330 colmeias, cerca de seis toneladas ao ano, em Perais. O jovem apicultor vai dedicar-se à atividade nas horas vagas e manter o trabalho em Vila Velha de Ródão. “Desde pequenino que ando em roda das abelhas. Espero fazer algum dinheiro com isto”, explica. A comercialização do mel é uma aposta de futuro. “O nosso mel é muito procurado, conto com o apoio da Meltagus nesta questão da venda”, reforça. O facto da Câmara de Castelo Branco ter construído a central meleira está a ser decisivo no aumento de efetivos de colmeias por parte dos associados da Meltagus – Associação de Apicultores do Tejo Internacional, com a maior zona de influência do país e que corresponde a Castelo Branco, Vila Velha de Ródão e Idanha-a-Nova, onde estão instalados cerca de 190 apicultores do norte a sul do país. A associação criada em 2004 começou por ter quatro sócios, no último ano a associação duplicou o número de associados. A abertura da central meleira, construída pela autarquia albicastrense, que se tornará na maior do país em capacidade de produção e de avanço tecnológico, a realização de ações de formação, parcerias estabelecidas com a Escola Superior Agrária e o Inovcluster “criaram as condições para que a apicultura esteja a florescer na região”, sublinha Nelson Antunes, presidente da Meltagus, que tem tentado trazer “sangue novo” para a apicultura. “No último ano instalaram-se 14 novos produtores no concelho, é já um dado significativo”, acrescenta, confiante de que Castelo Branco está a ”mostrar cartas ao país de como se deve apoiar a agricultura”. A central meleira tem capacidade para uma produção diária de 15 toneladas de mel, possui zonas de extração, de embalamento, laboratórios e um espaço didático para visitas de estudo, num investimento de 500 mil euros da Câmara. O percurso que se segue é do criar canais de comercialização do mel produzido na região, o que será possível através da união dos produtores. “Temos a vantagem da desertificação do Interior, onde pode ser produzido um mel bastante procurado no estrangeiro que é o mel de lanvada (rosmaninho). Mas o mercado externo procura grandes quantidades e para respondermos, só através da união dos vários produtores que começam a surgir”, finaliza o dirigente. Na zona controlada gerida pela Meltagus, a maior do país em área territorial, produz-se, em média, 220 toneladas de mel. Nos próximos anos esta média vai subir porque os produtores instalados estão a aumentar a sua capacidade e outros agricultores estão a instalar projetos neste território. “Há oito anos quase ninguém fazia o registo desta atividade”, observa Nelson Antunes que acredita existirem “cinco a seis mil colmeias que estão nesta situação”. (Leia toda a reportagem na edição semanal) Por: Célia Domingues

Sem comentários: