segunda-feira, abril 25, 2011

Criadilhas

in: Jornal do Fundão

Sociedade (JF Diário)


13 Abr 2011, 15:03h
O jantar? Está ali debaixo da terra!

Um quilo pode chegar aos cem euros. De alimento humilde à presença na alta cozinha. Já se chamam às criadilhas da Beira Baixa, “as trufas de Portugal”

Este homem merece respeito. Por todas as razões e mais algumas, com certeza, mas para os efeitos da presente narrativa podemos começar por aqui: “Já comi mais de 90 tipos de cogumelos da região”. Corem, pois, de vergonha, os pseudo-especialistas. Nós, que nem a isso aspiramos, apontamos no bloco a informação. Sem mais. Sim, convenhamos, é desarmante. Poucas linhas de currículo conseguirão ser tão expressivas. O especialista em cogumelos silvestres, que corre o país de lés a lés em conferências e passeios micológicos a abrir conhecimentos a paladares mais desconhecedores, conservadores ou receosos, aceitou o desafio do JF e levou-nos, numa destas manhãs, até ao campo em busca de criadilhas.

Primeiro, as apresentações: à nossa frente, o engenheiro agrónomo Gravito Henriques, 52 anos. Natural do Paul e residente no Fundão. Os seus estudos sobre os cogumelos silvestres ilustram anos de trabalho e perseverança em dar a conhecer um mundo absolutamente opaco para muitos. Por estes montes e vales da Beira, Gravito Henriques elencou a riqueza micológica da região, que se aguarda que seja melhor explorada. Poucas cozinhas conhecem toda a potencialidade gastronómica deles e poucos bolsos conhecem toda a potencialidade económica deste recurso.

Continuando as apresentações: algures por aqui, debaixo dos nossos pés... as criadilhas, também conhecidas por “Alegria de Santa Luzia”, “batata da terra”, “reigota”, “tubara”... E por aí fora. Surgem na Primavera, principalmente nos solos do Sul da Beira Baixa e, ao contrário dos tradicionais cogumelos, desenvolvem-se debaixo de terra. São invisíveis. É isso mesmo: o objecto da busca está oculto e não temos o mapa do tesouro... Mas temos Gravito Henriques.

A reportagem completa está na edição semanal.

Por: Nuno Francisco

Xolantha Guttata e criadilhas

http://www.reinodosfungos.com/2010/05/xolantha-guttata-ou-erva-das-criadilhas.html


quinta-feira, abril 21, 2011

Candal-Aldeia de Xisto-Serra da Lousã






Loja em Candal, em regime de Franchaising, com exposição de produtos de todas as regiões da rota de aldeias de xisto e alguns produtos de artesãos a viverem na Serra da Lousã.

sábado, abril 09, 2011

Entrevista com Manuel Bento-responsável pela sobrevivência da viola campaniça

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Vida/Interior.aspx?content_id=1826495

Infelizmente a viola beiroa não teve o mesmo destino. Hoje, só na Lousa, anualmente soam os seus acordes. Os executantes actuais, não são capazes de explorar as potencialidades acústicas do instrumento. As cordas toeiras, características do instrumento, foram retiradas ao instrumento. Para quem quiser ver e ouvir, no 3º Domingo de Maio, na Lousa-Castelo Branco, nos festejos da Senhora dos Altos Céus, podem ouvir a viola beiroa. No museu etnográfico, da mesma localidade, podem apreciar o instrumento.

Maravilhas da Gastronomia

A Beira Interior para a final do concurso de Gastronomia concorre com os seguintes pratos: Entrada Espargos com ovos; sopa canja de borrego; carne perdiz de escabeche à moda de Alpedrinha

Maravilhas da Gastronomia