sexta-feira, março 26, 2010

Micologia





Iniciam-se já dia 1 de Abril (quinta-feira) as 1as Jornadas Gastronómicas do Tortulho e da Criadilha, que irão decorrer durante todo o mês de Abril, em Castelo Branco. A iniciativa é promovida pela AFLOBEI - Associação de Produtores Florestais da Beira Interior e pela Câmara Municipal de Castelo Branco, e conta com o apoio técnico da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro.

Cada um dos sete restaurantes de Castelo Branco que participam nas Jornadas Gastronómicas irá apresentar, em 4 dias distintos, as suas sugestões gastronómicas confeccionadas à base do tortulho (Amanita ponderosa) e da criadilha (Terfezia arenaria).

Para se deixar conquistar pelos cogumelos, só tem de adquirir o Calendário das Jornadas no site da AFLOBEI ou nos restaurantes: Praça Velha, Mesa Cheia, O Espeto, Encosta do Castelo, Kalifa, English Savoy e Casa 14.

Não falte também ao passeio micológico nas freguesias de Castelo Branco e Malpica do Tejo, que irá decorrer no dia 10 de Abril (um sábado). No final do passeio, o almoço é no Restaurante Piscina-Praia de Castelo Branco, preparado por um conceituado chefe de cozinha, especialista em cogumelos (inscrições até 7 de Abril e limitadas a 50 pessoas). Vai ver que se vai divertir!

Toda a informação sobre as Jornadas Gastronómicas e o passeio micológico está disponível no site da AFLOBEI.

in:http://vila-de-loriga.blogspot.com/2007/10/os-tortulhos.html

quarta-feira, 17 de outubro de 2007
Os tortulhos
Após as primeira chuvas Outonais, vêm também os belos e cometiveis cogumelos que se apelidam por tortulhos. Depois de uma pequena investida em pesquisa deixo aqui umas receitas:


Tortulhos grelhados
Depois de lavados deixar secar um pouco cobertos com rosmaninho ou carqueja sobre uma laje de lousa bem quente em cima do fogo, colocar os tortulhos.Adicionar sal e um pouco de piri-piri, para os amantes do género.


Tortulhos com ovos mexidos

Refoguem em azeite o alho, cebola e um pouco de carne de porco em pedaços muito pequenos.Juntem os míscaros e tempere com sal.Deixe apurar bem.adicionem os ovos mexendo bem.



Arroz de tortulhos
Façam um refogado num tacho de barro com azeite e alhos esmagados.adicionem a cebola picada e deixe cozer suavemente até a cebola estar macia.Juntem um pouco de chouriço de carne cortado em cubos muito pequenos.Deixem alourar tudo.Juntem o arroz e os tortulhos e mexa para o arroz absorver a gordura.Regue com a água a ferver e adicionem um pouco de ervas aromáticas, pimenta e sal.Introduzam o tacho no forno bem quente e deixem cozer durante 15 minutos
Bom apetite!
Publicada por Pedro amaro em 14:53:00

Eng. José Luís Gravito Henriques
[ comente a notícia ] [ pdf ]
Divulgação de Cogumelos Silvestres – 16

Nome científico – Amanita ponderosa / Nome vulgar – Tortulho, silarca, tubareiro, renota, regota, tubara, cilarca, turva da terra, criadilha, míscaro, púcara da Quaresma

4a0164c163e27.jpg
Nome científico – Amanita ponderosa
Nome vulgar – Tortulho, silarca, tubareiro, renota, regota, tubara, cilarca, turva da terra, criadilha, míscaro, púcara da Quaresma
Micorrízico – Vive em associação mutualista com as raízes de algumas espécies florestais e arbustivas
Habitats – Cogumelo de Primavera, tipicamente mediterrânico, frequente a Sul do distrito de Castelo Branco, em azinheira, sobreiro e esteva, crescendo isolado ou em grupos
Forma do chapéu – Hemisférico, depois convexo a plano-convexo e no final deprimido no centro
Margem do chapéu – Lisa ou levemente canelada com a idade, excedente, podendo no inicio apresentar-se com restos aderentes do anel
Cutícula lisa, destacável da carne, habitualmente coberta no centro por restos do véu geral, em forma de grandes placas persistentes e com terra aderente.Inicialmente apresenta uma cor branca que se vai manchando de tons rosado a castanho, pelo contacto e por exposição ao sol e ao ar
Himenóforo constituído por lâminas pouco apertadas, livres, de cor branca depois creme. A arista farinosa, com a idade adquire um aspecto ponteado ou crenado de tons castanho
Pé de inserção central, cilíndrico, engrossando para a base, maciço e no final loculado.Inicialmente de cor branca podendo apresentar vincadas as lâminas na zona acima do anel. Com o desenvolvimento apresenta áreas mais ou menos estriadas de cor rosada a castanha e, por vezes, uma zona mais escurecida, bem demarcada, correspondente aos restos aderentes do anel. Volva membranosa, saciforme, lobulada, separável do pé, com terra aderente na parte exterior
Carne de cor branca virando rosa ao contacto
Odor a terra e sabor doce
Comestibilidade – Excelente comestível
Observações – Espécie muito semelhante à Amanita valens que frutifica em pinheiro e à Amanita curtipes de muito menor tamanho e em que o diâmetro do chapéu é superior à dimensão do pé
Atenção - Nunca confundir com a Amanita verna ou a Amanita virosa. Estas duas espécies que são mortais, entre outras características, distinguem-se por terem cor branca que se mantém imutável ao toque e ao corte. Abster-se de apanhar e consumir exemplares do género Amanita na fase de ovo, pois é mais difícil a identificação entre espécies comestíveis e venenosas


Por: José Luís Gravito Henriques, Eng. Agrónomo


Resultados do Inquérito «A Realidade Micológica da Beira Interior»

1 comentário:

antónio disse...

Engº Gravito
É sempre um prazer ler os seus artigos relacionados com a micologia, repletos de sapiência e profundo conhecimento.
Sou um aficionado dos cogumelos, nomedamente o tortulho, e também a criadilha, como se chama aqui na Povoa de Rio de Moinhos. Já quanto à minha terra (Barbaído) nesta época temos os tortulhos das estevas, os quais são muito saborosos.
Cordiais cumprimentos,
Antonio Gonçalves