domingo, dezembro 24, 2006

Birdlife International distingue Granja de S. Pedro, em Alcafozes

Naturtejo valoriza o Turismo ornitológico, sendo a Granja de S. Pedro distinguida por constituir uma mais valia para a avifauna no território do Geoparque Naturtejo. A associação entre esta forma de turismo e o turismo arqueológico deveria ser explorada, aproveitando o património arqueológico já identificada na mesma Granja. Certamente, que o território e a família Marrocos seriam beneficiados se esta integração incluísse o património de Idanha-a-Velha. Também, a colónia de corujas, que ocupa um pombal, da mesma família, em Idanha-a-Velha, poderia ser integrada no turismo ornitológico.

quarta-feira, dezembro 20, 2006

Viola beiroa-O Menino está dormindo-Luis Baptis

Inédito

Recital de Natal por Violas Portuguesas com a participação de Denitza Panayotova ao violino


20 de Dezembro de 2006, pelas 21h30 na Capela de Sta Iria- Murches - Cascais


Pela primeira vez as Músicas de Natal interpretadas por diferentes

Violas Portuguesas (bandolim, guitarra portuguesa, braguesa, cavaquinho, viola da terra, viola beiroa, viola toeira, viola campaniça, viola amarantina, rajão e viola de arame).




1info@musiclbm.com

www.musiclbm.com




Programa de Concerto de Natal



Feliz Natal (viola toeira)

Um pastor vindo de longe (rajão)

Noite feliz (rajão)

Adeste fidelis (viola campaniça)

Linda noite (viola campaniça)

Canção de Natal (viola braguesa)

E Natal (bandolim)

Bem pudera (viola amarantina)

Dorme dorme (viola da terra)

O menino está dormindo (viola beiroa)

Lá na noite de Natal (viola de arame)

Natal da Beira (cavaquinho)

Natal de Elvas (guitarra portuguesa)

Eu sonho com um Bom Natal (guitarra portuguesa)



NB. Cd promocional das peças Natal disponível nos Concertos de Natal.





Discografia:



2001 2003 2005


Projectos/Lançamentos:

2007 (Janeiro) - Publicação do Manual de Improvisação para todos os Instrumentos

2007 – DVD didáctico viola portuguesas

2007 – DVD – Temas Escolhidos (peças do repertório de Luís Baptis em imagem)

2007 – DVD – Peças de Natal para Violas Portuguesas e trio de Cordas



Informações / Encomendas / Concertos:

info@musiclbm.com www.musiclbm.com

Tel.: 96 353 23 37








Contacto: info@musiclbm.com Tlm.: 96 353 23 37 Paula Moreira



www.musiclbm.com



LBM EDIÇÕES, LDA

Rua das Avencas Lt.. 19 r/c 2765-062 Estoril Portugal Tel./Fax: + 351 21 467 59 79 e-mail: info@musiclbm.com

domingo, dezembro 10, 2006

"Terras da Idanha uma paisagem sonora"

Foi apresentada uma colectânea de 6 CD´s intitulada "Terras de Idanha-Uma paisagem sonora". Trata-se de um projecto coordenado por César Viana e Pedro Rego, ao que presumo em sequência de uma actividade há muito enquadrada nas actividades de Belgais "Paisagem sonora da Beira Baixa". Ainda não tive oportunidade de aceder a esta edição, não a tenho encontrado no circuito comercial, mas será interessante fazer o confronto com os registos sonoros efectuados na década de 60, do século XX, por Veiga de Oliveira, Giacommetti e Fernando Lopes Graça. Vou contactar directamente o maestro César Viana para obter mais informações sobre esta edição.

in: http://www.belgais.org
ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO



O estúdio de gravação tem uma unidade fixa e uma móvel. A unidade fixa é um veículo poderoso para por em prática os projectos discográficos de Belgais com autonomia e sem pressões económicas ou temporais.

A unidade móvel permite pôr em prática o projecto «Paisagem sonora da Beira Baixa», bem como realizar o registo de concertos e outras actividades, criando assim uma importante base documental das actividades desenvolvidas pelo centro.

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Relíquia arqueológica descoberta no Sabugal

in:Diário xxi
Sexta-Feira, 08 de Dezembro de 2006
Relíquia arqueológica descoberta no Sabugal

É a segunda estela (pedra vertical monolítica) do género descoberta na freguesia do Baraçal. A coluna pertence à Idade do Bronze Final e aguarda estudo pelo arqueólogo da Câmara do Sabugal
Uma pedra vertical monolítica (estela), em que os antigos faziam inscrições e esculturas, foi encontrada na freguesia do Baraçal, Sabugal, durante os trabalhos de construção de um muro. A estela em granito da Idade do Bronze Final foi utilizada como banco durante muitos anos. O achado já foi comunicado ao Gabinete de Arqueologia da Câmara do Sabugal.
O valor da peça foi desvendado por Luís Lages, presidente da Junta de Freguesia local, na altura em que procedia à construção de um muro junto da sua casa de habitação. "A pedra estava virada ao contrário, com a parte gravada para baixo", contou o autarca à Agência Lusa. "Estava a servir de banco e era onde antigamente amassava o linho". A peça com cerca de 1,90 metros de comprimento tem um campo onde estão gravados um escudo, uma lança e uma espada, ostentando ainda na parte inferior, o desenho de um espelho.

SEMELHANTE À DESCOBERTA DE 1978
Marcos Osório, arqueólogo da autarquia, refere que o serviço está a tratar do assunto para que a peça seja estudada “rapidamente". A estela agora encontrada é parecida com outra que está exposta no Museu do Sabugal e foi descoberta, também no Baraçal, no ano de 1978, adianta o arqueólogo. "Esta estela é da mesma tipologia da que foi encontrada no local, há décadas, diferenciando-se apenas no facto de esta ser gravada enquanto a anterior era esculpida e por ostentar também, além das armas, o desenho de um espelho", disse. Destacou a coincidência de terem sido encontradas as duas na mesma povoação, admitindo que "não é frequente aparecerem duas estelas no mesmo sítio".

“Devem ser devidamente estudadas e preservadas"
Peças com função ainda desconhecida
Segundo o arqueólogo da Câmara do Sabugal, Marcos Osório, a natureza destes monumentos é desconhecida, não se sabendo ao certo se tinham carácter funerário - assinalavam as tumbas de pessoas importantes nas sociedades proto-históricas - ou se demarcavam territórios - faziam a divisão territorial de uma comunidade.
Em relação às armas representadas, "tudo indica que sejam as armas principais de um guerreiro com prestígio social ou até de um príncipe, do período entre 1200 a 1000 a.C., possibilidade que é comprovada pela existência do 'espelho` à semelhança de outras estelas encontradas na Província de Cáceres [Espanha]", admitiu.
O arqueólogo considera que são peças "raras e muito valiosas que devem ser devidamente estudadas e preservadas".


Antiguidades encontradas fazem parte de exposição permanente
Museu conta a história do concelho
O espólio arqueológico encontrado nos últimos anos no concelho do Sabugal - incluindo a estela descoberta em 1978 no Baraçal - está exposto desde Junho no Museu local, criado por iniciativa da Câmara Municipal. A exposição permanente de arqueologia dá a conhecer aos visitantes os principais objectos arqueológicos - moedas, ferramentas, adornos, armas, loiças objectos sagrados, etc. - que testemunham a evolução histórica das comunidades da região que corresponde hoje ao concelho do Sabugal, desde o período da Pré-História até ao século XX.
Com a mostra permanente, segundo Marcos Osório, pretende-se "contar a história da presença humana nesta região, de forma contínua e homogénea, sem dar mais ênfase a determinados períodos cronológicos em detrimento de outros".

TAL COMO NUM FILME
Devido ao mobiliário e à cenografia da exposição, o visitante é convidado a percorrer as várias etapas cronológicas de forma gradual e sincopada, "tal como se se tratasse da película de um filme". "Os objectos do passado passam ao olhar do visitante de forma evolutiva e irreversível", contou o arqueólogo.
Para além do espólio pertencente à autarquia, proveniente de escavações e prospecções realizadas no concelho nos últimos dez anos, o museu - instalado no mesmo edifício do auditório municipal - exibe muito património que estava na posse de particulares, concluiu a fonte.

quinta-feira, novembro 23, 2006

A Beira Interior na vanguarda para cumprimento do Protocolo de Quioto

in: Diario xxi, de 23/11/2006

EDP investe na Covilhã para baixar emissão de gases Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2006 Projecto inovador vai reduzir dióxido de carbono lançado para a atmosfera

Com um tipo especial de cultivo e florestação é possível certificar que determinada quantidade de carbono fica no solo em vez de ir para a atmosfera. O primeiro deste tipo de projectos inovadores para cumprir o Protocolo de Quioto arranca na freguesia de Peraboa A EDP-Energias de Portugal vai investir meio milhão de euros num projecto agro-florestal, na Quinta da França, na Covilhã, que permitirá reduzir anualmente em sete mil toneladas as emissões portuguesas de dióxido de carbono (CO2) até 2012. "É o primeiro projecto desta natureza em Portugal, que cria sumidouros agrícolas para a absorção de CO2 [retenção no solo], isto é, um tipo especial de cultivo que no fundo garante um efeito positivo no ambiente", explicou ontem o presidente da EDP, na cerimónia de assinatura do contrato de investimento com a sociedade agrícola Terraprima.
António Mexia afirmou que o projecto "abre caminho, com componente técnica portuguesa, para outros projectos do género que podem reduzir as emissões de CO2 em 4,5 milhões de toneladas até 2012". "É uma responsabilidade importante nas empresas e que contribui para o Fundo de Carbono [no valor de 354 milhões de euros], criado pelo governo, e ajuda assim a cumprir o Protocolo de Quioto", adiantou António Mexia. O Fundo Português de Carbono tem como objectivo financiar medidas que facilitem o cumprimento dos compromissos assumidos no âmbito do Protocolo de Quioto sobre alterações climáticas.

“FOSSEM 500 MIL”
O secretário de Estado do Ambiente, presente na assinatura do contrato, enalteceu a iniciativa da EDP, afirmando que se "em vez de 500 hectares [na Quinta da França, freguesia de Peraboa] fossem 500 mil, permitiria acabar com o défice de carbono português". Humberto Rosa explicou também que para o período pós-Quioto, em 2012, está a ser estudada a ideia de "beneficiar as empresas com mais créditos para a sua actividade quando estas fazem investimentos fora da sua área, contribuindo para a redução de CO2".

O que vai ser feito
O projecto consiste em gestão de pastagens, sementeira directa e florestação do local, explica a EDP em comunicado. Acima de tudo “trata-se de implementar novos métodos de plantação e gestão das áreas cultivadas, de modo a certificar o carbono fixado e a fornecer um estímulo remuneratório aos agricultores por esta mais-valia adicional da sua actividade”, sublinha a empresa. Para além deste objectivo, permite ainda a florestação com espécies autóctones e uma melhoria das áreas agrícolas e pastorícias, uma vez que aumenta a matéria orgânica no solo.

Primeiro local
A Quinta da França é a primeira em Portugal onde vai ser implementado o projecto, de um conjunto de cinco – Herdades dos Esquerdos, Monte dos Mestres, Fonte do Corcho e da Rebouça. Segundo o contrato, a Quinta da França está sujeita a obrigatoriedade de ter a sua área florestal em regime certificado de gestão florestal sustentável, durante três anos.

segunda-feira, novembro 20, 2006

Estatísticas de visualização do Blog, até 19 de Novembro de 2006

Report Details
Visited Pages Page Views % of total
1. http://asp3.blogspot.com 4,452 38.38
2. http://asp3.blogspot.com/2004_06_01_asp3_archive.html 278 2.40
3. http://www.asp3.blogspot.com 263 2.27
4. http://asp3.blogspot.com/2006_03_01_asp3_archive.html 252 2.17
5. http://asp3.blogspot.com/2005_06_01_asp3_archive.html 197 1.70
6. http://asp3.blogspot.com/2004_10_01_asp3_archive.html 182 1.57
7. http://asp3.blogspot.com/2004_01_01_asp3_archive.html 180 1.55
8. http://asp3.blogspot.com/2005_11_01_asp3_archive.html 162 1.40
9. http://asp3.blogspot.com/2005_03_01_asp3_archive.html 154 1.33
10. http://asp3.blogspot.com/2003_12_01_asp3_archive.html 152 1.31
11. http://asp3.blogspot.com/2004_04_01_asp3_archive.html 150 1.29
12. http://asp3.blogspot.com/2005_07_01_asp3_archive.html 143 1.23
13. http://asp3.blogspot.com/2005_05_01_asp3_archive.html 128 1.10
14. http://asp3.blogspot.com/2005_01_01_asp3_archive.html 122 1.05
15. http://asp3.blogspot.com/2005_10_01_asp3_archive.html 116 1.00
16. http://asp3.blogspot.com/2005_09_01_asp3_archive.html 114 0.98
17. http://asp3.blogspot.com/2006_04_01_asp3_archive.html 98 0.84
18. http://asp3.blogspot.com/2004_05_01_asp3_archive.html 90 0.78
19. http://asp3.blogspot.com/2005_12_01_asp3_archive.html 89 0.77
20. http://asp3.blogspot.com/2006_05_01_asp3_archive.html 87 0.75
21. http://asp3.blogspot.com/2006/06/o-museu-do-canteiro-alcains.html 74 0.64
22. http://asp3.blogspot.com/2006_01_01_asp3_archive.html 71 0.61
23. http://asp3.blogspot.com/2006/07/portugal-vinhos-cultura-e-tradio-beira.html 69 0.59
24. http://asp3.blogspot.com/2004_08_01_asp3_archive.html 67 0.58
25. http://asp3.blogspot.com/2003_11_01_asp3_archive.html 62 0.53
26. http://asp3.blogspot.com/2006_07_01_asp3_archive.html 60 0.52
27. http://asp3.blogspot.com/2006/07/as-idades-do-som.html 59 0.51
28. http://asp3.blogspot.com/2004_11_01_asp3_archive.html 58 0.50
29. http://asp3.blogspot.com/2006/08/exemplo-de-boas-prticas-reciclagem-e.html 56 0.48
30. http://asp3.blogspot.com/2004_09_01_asp3_archive.html 55 0.47
31. http://asp3.blogspot.com/2006/03/chirivia-xerovia-gastronomia-da-beira.html 55 0.47
32. http://asp3.blogspot.com/2004_07_01_asp3_archive.html 54 0.47
33. http://asp3.blogspot.com/2006/07/quatro-temas-da-beira-baixa-em-as.html 53 0.46
34. http://asp3.blogspot.com/2006_03_01_archive.html 50 0.43
35. http://asp3.blogspot.com/2006/06/curso-de-iniciao-ao-arcgis-90-nvel-i.html 49 0.42
36. http://asp3.blogspot.com/2004_03_01_asp3_archive.html 49 0.42
37. http://asp3.blogspot.com/2003_06_01_asp3_archive.html 48 0.41
38. http://asp3.blogspot.com/2006/10/cano-popular-portugusa-em-fernando.html 45 0.39
39. http://www.asp3.blogspot.com/2004_02_01_asp3_archive.html 43 0.37
40. http://72.14.203.104/search 42 0.36
41. http://asp3.blogspot.com/2006/07/arqueologia-em-pgina-do-rosmaninhal.html 40 0.34
42. http://asp3.blogspot.com/2005_04_01_asp3_archive.html 39 0.34
43. http://66.102.9.104/search 39 0.34
44. http://asp3.blogspot.com/2006/07/dias-martins-1954-maria-jos-dias.html 38 0.33
45. http://asp3.blogspot.com/2005_02_01_asp3_archive.html 36 0.31
46. http://asp3.blogspot.com/2006_03_07_asp3_archive.html 35 0.30
47. http://asp3.blogspot.com/2004_12_01_asp3_archive.html 35 0.30
48. http://asp3.blogspot.com/2005_03_01_archive.html 35 0.30
49. http://asp3.blogspot.com/2003_10_01_asp3_archive.html 35 0.30
50. http://asp3.blogspot.com/2004_06_01_archive.html 34 0.29
51. http://asp3.blogspot.com/2005_05_01_archive.html 34 0.29
52. http://asp3.blogspot.com/2003_12_01_archive.html 32 0.28
53. http://asp3.blogspot.com/2006/06/fundo-largo-da-igreja-matriz.html 32 0.28
54. http://asp3.blogspot.com/2006/05/museu-do-canteiro-exposio-fotogrfica.html 31 0.27
55. http://asp3.blogspot.com/2005/12/frulact-inicia-produo-no-tortozendo-em.html 31 0.27
56. http://asp3.blogspot.com/2006/07/dois-volumes-das-obras-completas-do.html 30 0.26
57. http://asp3.blogspot.com/2006/09/casa-joo-franco.html 30 0.26
58. http://asp3.blogspot.com/2006_03_10_asp3_archive.html 29 0.25
59. http://asp3.blogspot.com/2006/08/esparto-peas-de-artesanato-da-tunsia.html 28 0.24
60. http://asp3.blogspot.com/2006_02_01_asp3_archive.html 28 0.24
61. http://asp3.blogspot.com/2006/07/carta-aberta-de-maria-joo-pires.html 28 0.24
62. http://216.239.59.104/search 27 0.23
63. http://asp3.blogspot.com/2005_07_01_archive.html 26 0.22
64. http://asp3.blogspot.com/2004_01_01_archive.html 26 0.22
65. http://asp3.blogspot.com/2005/11/texto-de-giacometti-e-fernando-lopes.html 26 0.22
66. http://66.249.93.104/search 25 0.22
67. http://asp3.blogspot.com/2006/06/biomassa-e-biodiesel-na-beira-interior.html 25 0.22
68. http://asp3.blogspot.com/2006/11/cogumelos-riqueza-da-beira-interior.html 25 0.22
69. http://asp3.blogspot.com/2006/10/morreu-joaquim-cardoso-industrial.html 25 0.22
70. http://asp3.blogspot.com/2006/06/vituosismo-de-maria-joo-pires-premiado.html 25 0.22
71. http://asp3.blogspot.com/2006/09/integrao-em-rede-do-patrimnio-da-beira.html 25 0.22
72. http://asp3.blogspot.com/2005_10_01_archive.html 24 0.21
73. http://asp3.blogspot.com/2006/07/centro-de-artes-de-belgais-continua.html 24 0.21
74. http://asp3.blogspot.com/2004_10_01_archive.html 24 0.21
75. http://asp3.blogspot.com/2005/10/iconofsseis-de-penha-garcia.html 23 0.20
76. http://asp3.blogspot.com/2005/12/promoo-do-azeite-da-beira-interior.html 23 0.20
77. http://asp3.blogspot.com/2006/07/maria-joo-pires-desiste-do-centro-de.html 23 0.20
78. http://asp3.blogspot.com/2006_06_01_asp3_archive.html 23 0.20
79. http://www.asp3.blogspot.com/2004_09_12_asp3_archive.html 23 0.20
80. http://asp3.blogspot.com/2004_03_20_asp3_archive.html 22 0.19
81. http://asp3.blogspot.com/2005/09/chocalhos-2005-um-dos-grupos-musicais.html 22 0.19
82. http://asp3.blogspot.com/2006/10/giacometti-em-trabalho-de-campo.html 22 0.19
83. http://asp3.blogspot.com/2005_11_24_asp3_archive.html 22 0.19
84. http://asp3.blogspot.com/2006/08/continuao-dos-registos-sonoros-de.html 22 0.19
85. http://asp3.blogspot.com/2006/10/portas-de-rodo-patrimnio-natural.html 22 0.19
86. http://asp3.blogspot.com/2004_06_17_asp3_archive.html 22 0.19
87. http://asp3.blogspot.com/2005_10_07_asp3_archive.html 21 0.18
88. http://asp3.blogspot.com/2006/05/monografia-de-castelo-branco.html 20 0.17
89. http://asp3.blogspot.com/2006/06/diferencial-de-iva-entre-portugal-e.html 20 0.17
90. http://asp3.blogspot.com/2005_06_01_archive.html 20 0.17
91. http://asp3.blogspot.com/2006_05_01_archive.html 20 0.17
92. http://asp3.blogspot.com/2004_04_01_archive.html 20 0.17
93. http://64.233.183.104/search 19 0.16
94. http://asp3.blogspot.com/2004_10_19_asp3_archive.html 19 0.16
95. http://asp3.blogspot.com/2004_02_01_asp3_archive.html 19 0.16
96. http://asp3.blogspot.com/2004/06/in-www.html 18 0.16
97. http://asp3.blogspot.com/2005_12_01_archive.html 18 0.16
98. http://www.asp3.blogspot.com/2004_02_29_asp3_archive.html 18 0.16
99. http://asp3.blogspot.com/2004_07_01_archive.html 18 0.16
100. http://asp3.blogspot.com/2006_04_01_archive.html 18 0.16
101. http://asp3.blogspot.com/2006/05/jos-mendes-martins-da-encarnao.html 18 0.16
102. http://asp3.blogspot.com/2005_11_01_archive.html 17 0.15
103. http://asp3.blogspot.com/2006/10/banco-de-sementes.html 17 0.15
104. http://asp3.blogspot.com/2006/05/novo-ncleo-museolgico-na-beira.html 17 0.15
105. http://asp3.blogspot.com/2006/08/mosaicos-romanos-museu-do-bardotunis.html 17 0.15
106. http://asp3.blogspot.com/2005_01_01_archive.html 17 0.15
107. http://asp3.blogspot.com/2006/10/dia-mundial-dos-castelos.html 17 0.15
108. http://asp3.blogspot.com/2006/06/que-sirva-de-exemplo-para-as-obras-do.html 17 0.15
109. http://asp3.blogspot.com/2005_01_02_asp3_archive.html 16 0.14
110. http://asp3.blogspot.com/2005_08_01_asp3_archive.html 16 0.14
111. http://asp3.blogspot.com/2006/03/aqui-tradiao-ainda-o-que-era.html 16 0.14
112. http://asp3.blogspot.com/2004/06/carvalho-do-caucaso-revista-nica-do_10.html 15 0.13
113. http://www.asp3.blogspot.com/2004_05_23_asp3_archive.html 15 0.13
114. http://64.233.179.104/translate_c 15 0.13
115. http://asp3.blogspot.com/2005/11/arquivos-sonoros-de-giacometti.html 15 0.13
116. http://asp3.blogspot.com/2006/07/unesco-aprovou-criao-do-geoparque-da.html 15 0.13
117. http://cc.msnscache.com/cache.aspx 15 0.13
118. http://asp3.blogspot.com/2006_08_01_asp3_archive.html 14 0.12
119. http://asp3.blogspot.com/2006/08/mosaicos-romanos-na-coleco-dos-museus.html 13 0.11
120. http://asp3.blogspot.com/2006/10/cirilo-de-jesus-centroliva-vila-velha.html 13 0.11
121. http://asp3.blogspot.com/2006_09_01_asp3_archive.html 13 0.11
122. http://asp3.blogspot.com/2003_06_01_archive.html 13 0.11
123. http://asp3.blogspot.com/2003_07_01_asp3_archive.html 13 0.11
124. http://64.233.161.104/search 13 0.11
125. http://asp3.blogspot.com/2003_09_01_asp3_archive.html 13 0.11
126. http://asp3.blogspot.com/2005_10_04_asp3_archive.html 12 0.10
127. http://asp3.blogspot.com/2006/10/outro-livro-de-cunha-leal.html 12 0.10
128. http://asp3.blogspot.com/2006/07/cirineu.html 12 0.10
129. http://asp3.blogspot.com/2006/05/aula-de-arqueologia-dia-28-de-maio-no.html 12 0.10
130. http://asp3.blogspot.com/2006/09/casa-de-cunha-leal-reconvertida-para-o.html 12 0.10
131. http://asp3.blogspot.com/2005_03_21_asp3_archive.html 12 0.10
132. http://asp3.blogspot.com/2004_06_10_asp3_archive.html 11 0.09
133. http://asp3.blogspot.com/2005_07_20_asp3_archive.html 11 0.09
134. http://72.14.209.104/search 11 0.09
135. http://asp3.blogspot.com/2006/05/parkurbris-h-muito-trabalho-pela.html 11 0.09
136. http://asp3.blogspot.com/2006/09/boomfestival-2006-ecofestival.html 11 0.09
137. http://asp3.blogspot.com/2004_05_01_archive.html 11 0.09
138. http://www.asp3.blogspot.com/2004_01_04_asp3_archive.html 11 0.09
139. http://asp3.blogspot.com/2005/07/guas-minerais-na-beira-baixa-na.html 11 0.09
140. http://asp3.blogspot.com/2005/08/rei-wamba-idanha-velha-e-wamba.html 10 0.09
141. http://asp3.blogspot.com/2006_07_01_archive.html 10 0.09
142. http://asp3.blogspot.com/2005/06/ideias-para-negcios-na-beira-interior.html 10 0.09
143. http://72.14.221.104/search 10 0.09
144. http://asp3.blogspot.com/2006/04/frulact-sem-matria-primafruta-da-beira.html 10 0.09
145. http://asp3.blogspot.com/2006_03_31_asp3_archive.html 10 0.09
146. http://209.85.135.104/search 10 0.09
147. http://asp3.blogspot.com/2006_04_23_asp3_archive.html 10 0.09
148. http://asp3.blogspot.com/2004_02_01_archive.html 9 0.08
149. http://asp3.blogspot.com/2004_08_01_archive.html 9 0.08
150. http://asp3.blogspot.com/2006/08/museu-francisco-tavares-proena-junior.html 9 0.08
151. http://asp3.blogspot.com/2005/11/publicidade-da-adesgar-na-gardunha.html 9 0.08
152. http://asp3.blogspot.com/2004/10/arquivos-sonoros-da-beira-baixa.html 9 0.08
153. http://asp3.blogspot.com/2003_11_01_archive.html 9 0.08
154. http://asp3.blogspot.com/2003/12/in-httpwww.html 9 0.08
155. http://asp3.blogspot.com/2005_05_05_asp3_archive.html 9 0.08
156. http://asp3.blogspot.com/2004_11_01_archive.html 9 0.08
157. http://asp3.blogspot.com/2006/03/azeite-riqueza-da-beira-interior.html 9 0.08
158. http://asp3.blogspot.com/2006/04/capinha-na-vanguarda_18.html 9 0.08
159. http://asp3.blogspot.com/2006/10/francisco-da-cunha-leal-1988-1970.html 9 0.08
160. http://asp3.blogspot.com/index.html 8 0.07
161. http://asp3.blogspot.com/2005_04_01_archive.html 8 0.07
162. http://asp3.blogspot.com/2005/10/revitalizao-da-olivicultura-em-malpica.html 8 0.07
163. http://asp3.blogspot.com/2006/05/idanha-segundo-o-site-do-boom-festival.html 8 0.07
164. http://64.233.179.104/search 8 0.07
165. http://asp3.blogspot.com/2004_04_28_asp3_archive.html 8 0.07
166. http://asp3.blogspot.com/2005_03_05_asp3_archive.html 8 0.07
167. http://asp3.blogspot.com/2004_03_01_archive.html 8 0.07
168. http://asp3.blogspot.com/2006/01/exposio-de-embutidos.html 8 0.07
169. http://asp3.blogspot.com/2006/05/coros-infantis-de-belgais-e-da-caja.html 8 0.07
170. http://asp3.blogspot.com/2006_01_01_archive.html 8 0.07
171. http://asp3.blogspot.com/2003_10_01_archive.html 8 0.07
172. http://asp3.blogspot.com/2004_09_01_archive.html 8 0.07
173. http://asp3.blogspot.com/2005_09_01_archive.html 8 0.07
174. http://www.asp3.blogspot.com/2004_04_11_asp3_archive.html 7 0.06
175. http://asp3.blogspot.com/2006/07/lince-ibrico-atropelado-em-donana.html 7 0.06
176. http://asp3.blogspot.com/2006_02_01_archive.html 7 0.06
177. http://asp3.blogspot.com/2006/05/idanha-boom-festival-news.html 7 0.06
178. http://asp3.blogspot.com/2006/05/as-quintas-convidam-idanha.html 7 0.06
179. http://asp3.blogspot.com/2005/09/alpedrinha-pela-antiga-via-romana-e.html 7 0.06
180. http://asp3.blogspot.com/2006/07/lince-ibrico-prximo-de-madrid-pode.html 7 0.06
181. http://asp3.blogspot.com/2006_08_01_archive.html 7 0.06
182. http://asp3.blogspot.com/2006_06_26_asp3_archive.html 7 0.06
183. http://asp3.blogspot.com/2005/05/paleontologia-geoconservao-e.html 6 0.05
184. http://asp3.blogspot.com/2005_02_01_archive.html 6 0.05
185. http://asp3.blogspot.com/2006/04/tunel-da-gardunha-entre-os-melhores-da.html 6 0.05
186. http://asp3.blogspot.com/2003/12/tradies-musicais-da-estremadura-jos.html 6 0.05
187. http://asp3.blogspot.com/2004_10_20_asp3_archive.html 6 0.05
188. http://asp3.blogspot.com/2006/04/arquelogos-revelam-segredos-da-beira.html 6 0.05
189. http://asp3.blogspot.com/2005_10_28_asp3_archive.html 6 0.05
190. http://asp3.blogspot.com/search 6 0.05
191. http://asp3.blogspot.com/2006/04/carta-arqueolgica-do-tejo.html 6 0.05
192. http://asp3.blogspot.com/2006_10_01_archive.html 6 0.05
193. http://asp3.blogspot.com/2006/03/histria-da-dielmar-e-lies-de-gesto.html 6 0.05
194. http://asp3.blogspot.com/2005_09_16_asp3_archive.html 6 0.05
195. http://asp3.blogspot.com/2005/12/editora-alma-azul-e-beira-interior.html 6 0.05
196. http://asp3.blogspot.com/2004/03/jess-ruiz-mantilla-madrid-el-pas.html 6 0.05
197. http://asp3.blogspot.com/2006/05/as-quintas-convidam.html 6 0.05
198. http://asp3.blogspot.com/2006/04/e-beira-interior-aqui-to-perto.html 5 0.04
199. http://asp3.blogspot.com/2004_12_01_archive.html 5 0.04
200. http://asp3.blogspot.com/2006_04_21_asp3_archive.html 5 0.04
201. http://asp3.blogspot.com/2005/03/ippar-vai-classificar-complexos.html 5 0.04
202. http://asp3.blogspot.com/2005/10/economia-na-beira-interior-maleitas-e.html 5 0.04
203. http://asp3.blogspot.com/2004_08_30_asp3_archive.html 5 0.04
204. http://asp3.blogspot.com/2004/06/para-informao-dos-leitores-transcrevo.html 5 0.04
205. http://www.asp3.blogspot.com/2004_08_15_asp3_archive.html 5 0.04
206. http://asp3.blogspot.com/2005_11_23_asp3_archive.html 5 0.04
207. http://asp3.blogspot.com/2006/04/programao-de-concertos-belgais.html 5 0.04
208. http://209.85.129.104/search 5 0.04
209. http://asp3.blogspot.com/2003_12_09_asp3_archive.html 5 0.04
210. http://asp3.blogspot.com/2006/10/giacometti-em-trabalho-de-campo.html#links 5 0.04
211. http://www.asp3.blogspot.com/2004_07_25_asp3_archive.html 5 0.04
212. http://64.233.187.104/search 4 0.03
213. http://asp3.blogspot.com/2004/10/as-guitarras-de-gilberto-grcio-revista.html 4 0.03
214. http://asp3.blogspot.com/2003/12/penha-garcia-musique-du-monde-artist.html 4 0.03
215. http://asp3.blogspot.com/2006/04/jovens-de-hoje-patrimnio-de-amanh.html 4 0.03
216. http://asp3.blogspot.com/2006/09/as-scuts-em-debate.html 4 0.03
217. http://asp3.blogspot.com/2006/05/esparteiros-em-espanha.html 4 0.03
218. http://asp3.blogspot.com/2006/03/lince-ibrico-de-novo-na-serra-da.html 4 0.03
219. http://asp3.blogspot.com/2004/01/foi-apresentado-um-plano-de.html 4 0.03
220. http://asp3.blogspot.com/2005/04/produtos-do-bosque-directamente-de.html 4 0.03
221. http://asp3.blogspot.com/2005/11/ilustrador-da-beira-interior-premiado.html 4 0.03
222. http://asp3.blogspot.com/2005/10/economia-na-beira-interior.html 4 0.03
223. http://asp3.blogspot.com/2004_01_07_asp3_archive.html 4 0.03
224. http://asp3.blogspot.com/2004_04_14_asp3_archive.html 4 0.03
225. http://asp3.blogspot.com/2005/10/ncleos-museolgicos-de-vila-de-rei.html 4 0.03
226. http://asp3.blogspot.com/2003_12_15_asp3_archive.html 4 0.03
227. http://asp3.blogspot.com/2005_12_08_asp3_archive.html 4 0.03
228. http://asp3.blogspot.com/2006/03/torre-dos-namorados-tradio-antiqussima.html 4 0.03
229. http://asp3.blogspot.com/2005_03_08_asp3_archive.html 4 0.03
230. http://asp3.blogspot.com/2004/11/geologia-monfortinho-para-alm-da.html 4 0.03
231. http://asp3.blogspot.com/2005/10/dielmar-exemplo-de-boas-prticas.html 4 0.03
232. http://asp3.blogspot.com/2005_12_04_asp3_archive.html 4 0.03
233. http://asp3.blogspot.com/2006/04/filrmnica-recreativa-carvalhense.html 4 0.03
234. http://asp3.blogspot.com/2004_05_18_asp3_archive.html 4 0.03
235. http://asp3.blogspot.com/2006/01/recolha-de-tradio-oral-nas-aldeias-do.html 4 0.03
236. http://asp3.blogspot.com/2005_04_14_asp3_archive.html 4 0.03
237. http://asp3.blogspot.com/2004_12_22_asp3_archive.html 4 0.03
238. http://asp3.blogspot.com/2006_05_02_asp3_archive.html 3 0.03
239. http://asp3.blogspot.com/2005/05/excelente-artigo-promocional-sobre.html 3 0.03
240. http://asp3.blogspot.com/2004/04/lontra-h-lontras-na-beira-interior.html 3 0.03
241. http://66.102.9.104/custom 3 0.03
242. http://216.239.37.104/translate_c 3 0.03
243. http://asp3.blogspot.com/2006/03/como-aceder-ao-idanhense.html 3 0.03
244. http://asp3.blogspot.com/2005_09_04_asp3_archive.html 3 0.03
245. http://asp3.blogspot.com/2006/01/rota-dos-castros-castro-de-s-roque.html 3 0.03
246. http://asp3.blogspot.com/2004_04_25_asp3_archive.html 3 0.03
247. http://asp3.blogspot.com/2005/06/endovlico-tesouro-em-idanha-velha.html 3 0.03
248. http://asp3.blogspot.com/2005_01_17_asp3_archive.html 3 0.03
249. http://asp3.blogspot.com/2006/01/fotos-da-beira-interior-donas-alcaide.html 3 0.03
250. http://asp3.blogspot.com/2005/07/no-gourmet-do-el-corte-inglez-possvel.html 3 0.03
251. http://asp3.blogspot.com/2003_07_01_archive.html 3 0.03
252. http://asp3.blogspot.com/2005_06_07_asp3_archive.html 3 0.03
253. http://asp3.blogspot.com/2004_11_05_asp3_archive.html 3 0.03
254. http://asp3.blogspot.com/2003_11_12_asp3_archive.html 3 0.03
255. http://asp3.blogspot.com/2005/05/herdade-de-vale-feitoso-monfortur.html 3 0.03
256. http://asp3.blogspot.com/2004_08_31_asp3_archive.html 3 0.03
257. http://72.14.207.104/search 3 0.03
258. http://asp3.blogspot.com/2004/07/em-4-de-setembro-concerto-em-belgais.html 3 0.03
259. http://asp3.blogspot.com/2005_05_26_asp3_archive.html 3 0.03
260. http://asp3.blogspot.com/2005/01/agressividade-do-turismo-espanhol.html 3 0.03
261. http://asp3.blogspot.com/2006/05/castelo-novo-visto-1227-m-de-altitude.html 3 0.03
262. http://asp3.blogspot.com/2006_04_10_asp3_archive.html 3 0.03
263. http://asp3.blogspot.com/2005/03/instrumentos-musicais-palheta-descrio.html 3 0.03
264. http://asp3.blogspot.com/2005/01/denominao-de-origem-comum-doc-beira.html 3 0.03
265. http://asp3.blogspot.com/2004/04/compotas-sabores-da-gardunha.html 3 0.03
266. http://asp3.blogspot.com/2003_09_01_archive.html 3 0.03
267. http://asp3.blogspot.com/2004/02/in-www.html 3 0.03
268. http://asp3.blogspot.com/2004/06/in-httpwww.html 3 0.03
269. http://www.blogger.com/blog-preview.g 3 0.03
270. http://asp3.blogspot.com/2006/01/novo-museu-de-arte-sacra-em-proena.html 2 0.02
271. http://asp3.blogspot.com/2004_07_27_asp3_archive.html 2 0.02
272. http://asp3.blogspot.com/2005_01_08_asp3_archive.html 2 0.02
273. http://asp3.blogspot.com/2004_06_20_asp3_archive.html 2 0.02
274. http://asp3.blogspot.com/2006/05/beira-interior-sul.html 2 0.02
275. http://asp3.blogspot.com/2005_11_26_asp3_archive.html 2 0.02
276. http://asp3.blogspot.com/2004/11/novo-site-de-turismo-monfortinho.html 2 0.02
277. http://asp3.blogspot.com/2006/05/parkurbris-h-muito-trabalho-pela.html#links 2 0.02
278. http://asp3.blogspot.com/2004/04/mais-uma-referncia-antnio-saramago.html 2 0.02
279. http://asp3.blogspot.com/2006_03_25_asp3_archive.html 2 0.02
280. http://asp3.blogspot.com/2005_01_14_asp3_archive.html 2 0.02
281. http://asp3.blogspot.com/2006/01/em-maro-arranca-nova-unidade.html 2 0.02
282. http://asp3.blogspot.com/2005/06/arquivos-sonoros-de-michel-giacometti.html 2 0.02
283. http://asp3.blogspot.com/2005/11/descoberta-arqueolgica-na-gardunha.html#links 2 0.02
284. http://asp3.blogspot.com/2005_06_06_asp3_archive.html 2 0.02
285. http://asp3.blogspot.com/2006/01/seminrio-do-fundo-adolescente.html 2 0.02
286. http://asp3.blogspot.com/2005/06/esplio-de-idanha-velha-h-quem-ponha-em.html 2 0.02
287. http://asp3.blogspot.com/2005/10/7-percursos-pedestres-no-concelho-de.html 2 0.02
288. http://asp3.blogspot.com/2005/09/chocalhos-2005-um-dos-grupos-musicais.html#links 2 0.02
289. http://www.asp3.blogspot.com/2006_07_01_asp3_archive.html 2 0.02
290. http://asp3.blogspot.com/2005_09_29_asp3_archive.html 2 0.02
291. http://asp3.blogspot.com/2005/07/cancioneiro-cova-da-beira-de-maria-da.html 2 0.02
292. http://asp3.blogspot.com/2005/11/centro-cultural-raiano.html 2 0.02
293. http://asp3.blogspot.com/2004/07/eremitrio-de-s.html 2 0.02
294. http://asp3.blogspot.com/2006/05/novo-ncleo-museolgico-na-beira.html#links 2 0.02
295. http://asp3.blogspot.com/2006_03_21_asp3_archive.html 2 0.02
296. http://asp3.blogspot.com/2006_03_14_asp3_archive.html 2 0.02
297. http://asp3.blogspot.com/2004/01/in-reconquista-naturtejo-apresenta-se.html 2 0.02
298. http://www.asp3.blogspot.com/2003_11_23_asp3_archive.html 2 0.02
299. http://asp3.blogspot.com/2004/06/mccartney-tambm-escolhe-maria-joo.html 2 0.02
300. http://asp3.blogspot.com/2005/06/guia-imperial-ibrica-nidifica-de-novo.html 2 0.02
301. http://asp3.blogspot.com/2005_02_13_asp3_archive.html 2 0.02
302. http://asp3.blogspot.com/2005_06_19_asp3_archive.html 2 0.02
303. http://asp3.blogspot.com/2005/03/instrumentos-musicais-palheta-descrio.html#links 2 0.02
304. http://asp3.blogspot.com/2005_11_29_asp3_archive.html 2 0.02
305. http://asp3.blogspot.com/2006_06_22_asp3_archive.html 2 0.02
306. http://asp3.blogspot.com/2005/12/rede-social-do-fundo-apoia.html 2 0.02
307. http://asp3.blogspot.com/2005/05/herdade-da-poupa-monfortur-grupo-bes-o.html 2 0.02
308. http://asp3.blogspot.com/2005/04/aldeias-histricas-inapa-publicou-em.html#links 2 0.02
309. http://asp3.blogspot.com/2006/01/rota-dos-castros-castro-de-s-roque.html#links 2 0.02
310. http://asp3.blogspot.com/2005/04/estaes-meteorolgicas-na-a23-imprensa.html 2 0.02
311. http://asp3.blogspot.com/2006_05_17_asp3_archive.html 2 0.02
312. http://asp3.blogspot.com/2004_03_09_asp3_archive.html 2 0.02
313. http://asp3.blogspot.com/2005/03/in-dilogos-raianos-dilogos-raianos.html 2 0.02
314. http://asp3.blogspot.com/2006/03/arqueologia-no-castelo-da-aldeia.html 2 0.02
315. http://asp3.blogspot.com/2004/12/salamanca-d-aquilo-que-na-beira.html 2 0.02
316. http://asp3.blogspot.com/2006_04_15_asp3_archive.html 2 0.02
317. http://asp3.blogspot.com/2005/06/moedas-romanas-e-rabes-venda-em-loja.html 2 0.02
318. http://asp3.blogspot.com/2005/11/publicidade-da-adesgar-na-gardunha.html#links 2 0.02
319. http://asp3.blogspot.com/2005_12_13_asp3_archive.html 2 0.02
320. http://asp3.blogspot.com/2006_04_18_asp3_archive.html 2 0.02
321. http://asp3.blogspot.com/2004/01/dana-dos-homens-fragmentos-1-e-16.html 2 0.02
322. http://64.233.167.104/search 2 0.02
323. http://asp3.blogspot.com/2006_02_16_asp3_archive.html 2 0.02
324. http://asp3.blogspot.com/2005_06_08_asp3_archive.html 2 0.02
325. http://asp3.blogspot.com/2006/03/de-novo-boom-festival-3-9-de-agosto-de.html#links 2 0.02
326. http://asp3.blogspot.com/2006/04/apresentao-do-6-cd-da-cantora-luso.html 2 0.02
327. http://asp3.blogspot.com/2005_03_19_asp3_archive.html 2 0.02
328. http://asp3.blogspot.com/2004/12/adufes-ainda-temos-viola-beiroa.html 2 0.02
329. http://asp3.blogspot.com/2006/03/patrimnio-arqueolgico-em-vivenda.html 2 0.02
330. http://asp3.blogspot.com/2006/03/de-novo-boom-festival-3-9-de-agosto-de.html 2 0.02
331. http://asp3.blogspot.com/2006/01/eficincia-do-servio-de-informao_02.html 2 0.02
332. http://asp3.blogspot.com/2005/06/endovlico-mais-moedas-pesquisa-de.html 2 0.02
333. http://asp3.blogspot.com/2005/12/chuchurumel-no-castelo-de-_113534187555469367.html 2 0.02
334. http://asp3.blogspot.com/2006_04_20_asp3_archive.html 2 0.02
335. http://www.asp3.blogspot.com/2004_03_07_asp3_archive.html 2 0.02
336. http://asp3.blogspot.com/2005_04_04_asp3_archive.html 2 0.02
337. http://asp3.blogspot.com/2003_12_04_asp3_archive.html 2 0.02
338. http://asp3.blogspot.com/2005/11/arquivo-municipal-de-idanha-nova.html 2 0.02
339. http://asp3.blogspot.com/2005/04/aldeias-histricas-inapa-publicou-em.html 2 0.02
340. http://www.asp3.blogspot.com/2004_10_31_asp3_archive.html 2 0.02
341. http://asp3.blogspot.com/2004/09/para-um-maior-esclarecimento.html 1 0.01
342. http://asp3.blogspot.com/2004_07_29_asp3_archive.html 1 0.01
343. http://asp3.blogspot.com/2004/07/gastronomia-na-beira-interior-por-no.html 1 0.01
344. http://asp3.blogspot.com/2005/07/concurso-internacional-de-acordeo-vai.html 1 0.01
345. http://asp3.blogspot.com/2003/12/in-reconquista-dia-21-de-dezembro.html 1 0.01
346. http://asp3.blogspot.com/2006/02/serra-da-gardunha-com-nevee-accias-em.html 1 0.01
347. http://asp3.blogspot.com/2005/10/revitalizao-da-olivicultura-em-malpica.html#links 1 0.01
348. http://asp3.blogspot.com/2006/04/projecto-promete-internet-grtis-sem.html 1 0.01
349. http://asp3.blogspot.com/2005_05_08_asp3_archive.html 1 0.01
350. http://asp3.blogspot.com/2006/01/recolha-de-tradio-oral-nas-aldeias-do.html#links 1 0.01
351. http://asp3.blogspot.com/2005/12/manuel-antunes-destacado-beiro.html#comments 1 0.01
352. http://asp3.blogspot.com/2004_11_02_asp3_archive.html 1 0.01
353. http://asp3.blogspot.com/2005/01/ulisses-novo-trabalho-de-cristina.html 1 0.01
354. http://asp3.blogspot.com/2004/09/histria-de-uma-escola-encerrada-estao.html 1 0.01
355. http://asp3.blogspot.com/2005/11/descoberta-arqueolgica-na-gardunha.html 1 0.01
356. http://asp3.blogspot.com/2006/01/animais-e-plantas-da-regio-protegidos.html 1 0.01
357. http://asp3.blogspot.com/2005_07_09_asp3_archive.html 1 0.01
358. http://asp3.blogspot.com/2003/12/materiais-utilizados-na-fabricao-da.html 1 0.01
359. http://asp3.blogspot.com/2004_11_12_asp3_archive.html 1 0.01
360. http://asp3.blogspot.com/2006_05_09_asp3_archive.html 1 0.01
361. http://asp3.blogspot.com/2006/01/novo-riquismo-da-autarquia-do-fundo.html#links 1 0.01
362. http://asp3.blogspot.com/2005_06_13_asp3_archive.html 1 0.01
363. http://asp3.blogspot.com/2004_05_02_asp3_archive.html 1 0.01
364. http://asp3.blogspot.com/2003_10_17_asp3_archive.html 1 0.01
365. http://asp3.blogspot.com/2005_10_26_asp3_archive.html 1 0.01
366. http://asp3.blogspot.com/2004/11/beira-interior-fica-culturalmente-mais.html 1 0.01
367. http://asp3.blogspot.com/2005_06_24_asp3_archive.html 1 0.01
368. http://asp3.blogspot.com/2005/01/in-centro-do-fundo-asphodelus-bento.html 1 0.01
369. http://asp3.blogspot.com/2004/08/in-hrefwww.html 1 0.01
370. http://asp3.blogspot.com/2006/03/filarmnica-idanhense.html 1 0.01
371. http://asp3.blogspot.com/2006_11_01_archive.html 1 0.01
372. http://asp3.blogspot.com/2006_06_01_archive.html 1 0.01
373. http://asp3.blogspot.com/2004_03_02_asp3_archive.html 1 0.01
374. http://asp3.blogspot.com/2005/05/identificao-de-rvores-da-gardunha.html 1 0.01
375. http://asp3.blogspot.com/2005_01_23_asp3_archive.html 1 0.01
376. http://66.249.93.104/translate_c 1 0.01
377. http://asp3.blogspot.com/2006/08/continuao-dos-registos-sonoros-de.html#comments 1 0.01
378. http://asp3.blogspot.com/2003/12/materiais-utilizados-na-fabricao-da.html#links 1 0.01
379. http://asp3.blogspot.com/2004/05/mistrios-da-pscoa-em-idanha-da-autoria.html 1 0.01
380. http://asp3.blogspot.com/2004_05_29_asp3_archive.html 1 0.01
381. http://asp3.blogspot.com/2005_05_28_asp3_archive.html 1 0.01
382. http://asp3.blogspot.com/2006/05/pianista-maria-joo-pires-regressa-aos.html 1 0.01
383. http://asp3.blogspot.com/2005/12/vinhos-da-beira-interior-no-funchal.html 1 0.01
384. http://www.asp3.blogspot.com/2004_09_05_asp3_archive.html 1 0.01
385. http://asp3.blogspot.com/2004/04/carvalho-francs-e-americano-porque-no.html 1 0.01
386. http://asp3.blogspot.com/2004/02/violeiros-procura-de-construtores-de.html 1 0.01
387. http://asp3.blogspot.com/2004_01_26_asp3_archive.html 1 0.01
388. http://asp3.blogspot.com/2003/11/msica-editora-campo-das-letras-acaba.html 1 0.01
389. http://asp3.blogspot.com/2004_05_25_asp3_archive.html 1 0.01
390. http://asp3.blogspot.com/2005_07_16_asp3_archive.html 1 0.01
391. http://asp3.blogspot.com/2006/02/entrevista-com-directora-do-museu-ftp.html 1 0.01
392. http://www.asp3.blogspot.com/2004_02_08_asp3_archive.html 1 0.01
393. http://asp3.blogspot.com/2005_08_01_archive.html 1 0.01
394. http://asp3.blogspot.com/2003/12/papel-de-estabelecimentos-comerciais.html 1 0.01
395. http://asp3.blogspot.com/2005/05/pasta-de-azeitona-e-azeite-biolgico.html 1 0.01
396. http://asp3.blogspot.com/2005/09/produtos-nacionais-no-mercado-irlandes.html 1 0.01
397. http://asp3.blogspot.com/2004/11/novo-site-de-turismo-monfortinho.html#links 1 0.01
398. http://asp3.blogspot.com/2004_02_14_asp3_archive.html 1 0.01
399. http://asp3.blogspot.com/2005/10/dielmar-exemplo-de-boas-prticas.html#links 1 0.01
400. http://asp3.blogspot.com/2004/06/desvende-os-sabores-da-beira-baixa-28.html 1 0.01
401. http://asp3.blogspot.com/2004_04_06_asp3_archive.html 1 0.01
402. http://asp3.blogspot.com/2006_05_05_asp3_archive.html 1 0.01
403. http://asp3.blogspot.com/2005/06/eugnio-de-andrade-oia-me-eugnio-de.html 1 0.01
404. http://asp3.blogspot.com/2004_06_30_asp3_archive.html 1 0.01
405. http://asp3.blogspot.com/2004/01/exposio-sobre-giacometti-e-sua-coleco.html 1 0.01
406. http://www.inblogs.net/asp3 1 0.01
407. http://asp3.blogspot.com/2005_10_09_asp3_archive.html 1 0.01
408. http://asp3.blogspot.com/2004/06/carvalho-do-caucaso-revista-nica-do_10.html#links 1 0.01
409. http://asp3.blogspot.com/2006/02/d-fernando-de-almeida-de-trebaruna.html 1 0.01
410. http://asp3.blogspot.com/2006/01/albano-martins-poeta-da-beira-interior.html 1 0.01
411. http://asp3.blogspot.com/2004_09_29_asp3_archive.html 1 0.01
412. http://asp3.blogspot.com/2004_12_26_asp3_archive.html 1 0.01
413. http://asp3.blogspot.com/2006_03_04_asp3_archive.html 1 0.01
414. http://asp3.blogspot.com/2005/12/manuel-antunes-destacado-beiro.html 1 0.01
415. http://asp3.blogspot.com/2003/11/raia-excelente-revista-com-contedos.html 1 0.01
416. http://asp3.blogspot.com/2006/03/histria-do-rei-wamba-d-fernando-de.html 1 0.01
417. http://asp3.blogspot.com/2004_04_02_asp3_archive.html 1 0.01
418. http://asp3.blogspot.com/2004/05/vinhos-da-beira-interior-no-anlise.html 1 0.01
419. http://asp3.blogspot.com/2005/11/centro-cultural-raiano.html#links 1 0.01
420. http://www.mywebsearch.com/jsp/GGcres.jsp 1 0.01
421. http://asp3.blogspot.com/2006/01/casa-da-famlia-de-d-fernando-dalmeida.html 1 0.01
422. http://asp3.blogspot.com/2005/09/viola-campania-assisti-em-vila-nova-de.html 1 0.01
423. http://asp3.blogspot.com/2005_07_15_asp3_archive.html 1 0.01
424. http://asp3.blogspot.com/2006/01/em-maro-arranca-nova-unidade.html#links 1 0.01
425. http://asp3.blogspot.com/2005/10/vinhos-da-beira-interior.html 1 0.01
426. http://asp3.blogspot.com/2006/01/alpedrinha-e-alcaide-fotos.html#links 1 0.01
427. http://asp3.blogspot.com/2005/02/revista-raia-n-63-apresenta-se-como.html 1 0.01
428. http://asp3.blogspot.com/2004_09_02_asp3_archive.html 1 0.01
429. http://asp3.blogspot.com/2005/03/famlia-marrocos-fiz-um-estudo-sobre.html 1 0.01
430. http://asp3.blogspot.com/2004/10/qual-diferena-entre-via-do-infante-e.html 1 0.01
431. http://72.14.205.104/search 1 0.01
432. http://asp3.blogspot.com/2006/02/promessa-de-nova-loja-do-ippar-em.html 1 0.01
433. http://asp3.blogspot.com/2005_03_28_asp3_archive.html 1 0.01
434. http://asp3.blogspot.com/2004/05/transcrito-de-www.html 1 0.01
435. http://asp3.blogspot.com/2004/07/como-j-tinha-referido-num-post.html 1 0.01
436. http://asp3.blogspot.com/2006/05/as-quintas-convidam-belmonte.html 1 0.01
437. http://asp3.blogspot.com/2004_10_14_asp3_archive.html 1 0.01
438. http://asp3.blogspot.com/2005/05/pasta-de-azeitona-e-azeite-biolgico.html#links 1 0.01
439. http://asp3.blogspot.com/2005/06/arquivos-sonoros-de-michel-giacometti.html#links 1 0.01
440. http://asp3.blogspot.com/2005/03/circuito-pedestre-rosmaninhal-tejo.html 1 0.01
441. http://asp3.blogspot.com/2004_01_05_asp3_archive.html 1 0.01
442. http://asp3.blogspot.com/2005/06/correco-sobre-instituio-responsvel.html 1 0.01
443. http://asp3.blogspot.com/2005_12_18_asp3_archive.html 1 0.01
444. http://asp3.blogspot.com/2004/07/idanha-velha-estudo-antropogeogrfico.html 1 0.01
445. http://asp3.blogspot.com/2004/12/nova-publicao-sobre-o-colgio-de-s.html 1 0.01
Total: » 11,601 100.00%

domingo, novembro 19, 2006

Tessaleno Devezas-professor da UBI-ciclos de Kondratieff aplicados à utilização da energia

Será o Nuclear a solução para o crescimento do consumo da energia?

Ao contrário da Tese defendida nesta publicação, apresentada Sexta-Feira, penso que o nuclear não é solução para nada, nem a curto, médio ou longo prazo. Para além das formas de energia renováveis apresentadas é preciso contar com outras, como seja a biomassa e os biocombustiveís. Ainda não se investiu e investigou o suficiente nestas formas de energias renováveis, nem se fez uma avaliação suficiente da redução de consumos resultantes do acréscimo da eficiência energética e na substituição de consumos energéticos, pela utilização de tecnologias amigas do ambiente, como sejam a construção de casas elas próprias produtoras da energia que utilizam e com a incorporação de sistemas inteligentes.

in: Diário XXI

Investimento em energia nuclear é urgente em Portugal
Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2006
Trabalho de professor da UBI faz parte de livro a lançar sexta-feira

Tessaleno Devezas é um dos investigadores versados na obra “Nuclear – O debate sobre o novo modelo energético em Portugal”, pela sua introdução do conceito de eficiência na análise dos comportamentos de consumo de energia
Daniel Sousa e Silva

“Como vão evoluir as necessidades de energia nas próximas décadas?”, interroga-se Tessaleno Devezas. Foi a partir desta dúvida que o professor do Departamento de Electromecânica da Universidade da Beira Interior (UBI) se lançou numa investigação, que suscitou o interesse de Jorge Nascimento Rodrigues (escritor e jornalista do “Expresso”) e Virgílio de Azevedo.
O trabalho de Tessaleno Devezas sobre a previsão de cenários futuros e, neste caso, sobre comportamento do consumo mundial de energia, em que introduz a variável eficiência, foi aproveitado pelos dois autores e faz parte do segundo capítulo do livro “Nuclear – O debate sobre o novo modelo energético em Portugal”. A obra editada pelo Centro Atlântico é lançada hoje, na Livraria Bertrand do Picoas Plaza, em Lisboa.
Sob o tema “O Século de transição para um mundo sem petróleo: A Voz dos Futuristas”, o capítulo dedica-se a “Tessaleno Devezas: o discípulo de Kondratieff que descobriu uma nova ‘espécie’ de energia”.
Em declarações ao Diário XXI, o docente da UBI explica que o convite para participar na obra “surge na sequência de um contacto, ao longo dos anos, com Jorge Nascimento Rodrigues”, enquanto jornalista do “Expresso”. “Entrevistou-me várias vezes”, recorda.
De acordo com o investigador, os consumos dos vários tipos de energia – petróleo, gás natural, carvão, entre outros – tiveram um grande aumento até meados da década de 80, seguindo-se um crescimento menos acentuado. “Isto era incompreensível, porque as necessidades de energia aumentaram. Comecei a analisar os dados, aplicando-lhes o princípio dos ciclos de Kondratieff e cheguei a uma conclusão”, refere.
Tessaleno Devezas conseguiu descobrir um novo padrão nos comportamentos de consumo mundial de energia, ao introduzir uma nova variável na análise: a eficiência. O que significa essa variável? “Com o desenvolvimento tecnológico das últimas décadas, tanto as empresas como os consumidores domésticos começaram a utilizar equipamentos que utilizam menos quantidade de energia para conseguir os mesmos resultados que no passado, ou seja, um uso mais eficaz da energia”, explica.

ENERGIA NUCLEAR É INCONTORNÁVEL
No entanto, refere, o aumento do consumo energético continua “e vai aumentar consideravelmente até 2030”. A solução “mais imediata e com melhores resultados” é o investimento na energia nuclear, defende. Tessaleno Devezas reconhece o “papel benéfico” do desenvolvimento das chamadas energias renováveis, tais como a solar ou a eólica, mas “as quantidades de energia que produzem e irão produzir no futuro nunca serão suficientes para as necessidades”.
Daí que o investigador considere que a aplicação da energia nuclear em Portugal seja “incontornável”, mesmo que actualmente “o interesse do poder político nesse sentido seja praticamente nulo”. “Espero que o livro lance um debate nacional em torno desta matéria, para que todos se apercebam da urgência do investimento no nuclear, de forma a garantir um futuro com desenvolvimento sustentado”, acredita Tessaleno Devezas, apelando a que “a razão se sobreponha ao medo do desconhecido”. É que, defende, “a energia nuclear é a mais segura do mundo, desde que seja correctamente desenvolvida”.


Na UBI desde 1992
Tessaleno Devezas está na UBI desde 1992. Começou por trabalhar no Departamento de Ciências Aeroespeciais, transferindo-se, passados alguns anos, para o Departamento de Electromecânica, onde lecciona várias disciplinas e é o responsável pelos laboratórios de Materiais.
Em 2005, foi distinguido pela Academia Russa de Ciências Naturais e pela Fundação Internacional Kondratieff. A distinção existe desde 1992, é entregue a cada 3 anos por ocasião do congresso Kondratieff e destina-se a galardoar obras que representem um importante contributo para o desenvolvimento das ciências económico-sociais.
Os ciclos de Kondratieff são movimentos de longa duração (25 a 45 anos) estudados pelo economista russo. Abrangem uma fase de alta e outra de baixa, correspondendo a fases de prosperidade e de regressão económica. Estes ciclos são característicos da economia dos finais do déculo XVIII e meados do século XX.

Publicações em livro
O anterior…
Publicado pela editora holandesa IOS Press no último dia 9 de Março, “Kondratieff Waves, Warfare and World Security”, foi o mais recente livro publicado por Tessaleno Devezas, tratando-se do quinto volume da colecção “The NATO Programme for Security through Science”.
O livro é o resultado dos trabalhos apresentados em Fevereiro de 2005, durante o ciclo de conferências Advanced Research Workshop (ARW), no âmbito do programa da NATO “Security Related Civil Science and Tecnology”, onde estiveram presentes mais de 40 cientistas das áreas de economia, ciências políticas e sociais, física, teoria de sistemas e simulação computacional.
Ao longo da obra é apresentado um conjunto de contribuições com novas perspectivas sobre os longos ciclos económicos, relacionados com conflitos armados e aspectos modernos de instabilidade geopolítica ligados ao terrorismo e globalização, permitindo assim antever cenários futuros, agindo por antecipação e garantir a estabilidade mundial.

…e o próximo
Jorge Nascimento Rodrigues é também colaborador no próximo livro de Tessaleno Devezas, que será publicado em 2007. Ainda sem título, a obra baseia-se no artigo “The Portuguese as System-builders in the Fifteenth and Sixteenth Centuries: A Case Study on the Role of Technology in the Evolution of the World System”.
Este artigo vai ser publicado na edição de Dezembro num revista britânica, tendo sido desenvolvido em parceria com George Modelski, professor na universidade norte-americana de Washington.
Tessaleno Devezas explica que o livro se relaciona com “o papel dos portugueses na evolução do conceito de globalização nos séculos XV e XVI”. Segundo o investigador, os Descobrimentos Portugueses “foram o primeiro empreendimento que criou ligações comerciais e culturais entre quatro continentes – Europa, África, Ásia e América – o que pode ser visto como o início real da globalização”.

Capítulo a capítulo
Como se organiza a obra
O livro “Nuclear – O debate sobre o novo modelo energético em Portugal” está estruturado em dez capítulos, antecedidos por um prefácio de António Costa Silva e pela introdução “A Grande Corrida do Século XXI”.
O primeiro capítulo versa sobre “A Europa à procura de alternativas”, seguindo-se o capítulo em que participa Tessaleno Devezas e ainda “Cesare Marchetti: o mais velho futurista europeu da energia nuclear” e “Dennis Meadows: o profeta dos 'limites ao crescimento”.
O terceiro capítulo da obra analisa “Um derradeiro fôlego dos combustíveis fósseis””, sendo o quarto dedicado a “Eficiência Energética: o desastre nacional”. “O novo modelo de desenvolvimento” é o tema do capítulo cinco, seguindo-se “Opiniões que contam”, onde são ouvidos testemunhos de uma dezena de especialistas nacionais na área da energia, entre os quais Joaquim Pina Moura, presidente da Iberdrola Portugal e deputado na Assembleia da República eleito pelo círculo eleitoral da Guarda.
“As 13 questões-chave” sobre o nuclear são apresentadas no sétimo capítulo, enquanto que o oitavo fala sobre “ITER: O sonho da fusão nuclear”. Sob o tema “Geografia do Nuclear”, o nono capítulo do livro aborda a implantação de centrais nucleares, origens da matéria-prima, produção de electricidade e arsenais militares.
A concluir a obra, apresenta-se “Para saber mais”, onde se traça uma “Pequena História do Nuclear” e se referem “Livros de leitura obrigatória”.

sábado, novembro 04, 2006

Cogumelos-riqueza da Beira Interior a explorar

Na Beira Interior, especialmente em anos com significativa queda pluvial, abundam várias variedades, cujo aproveitamento económico, de forma racioanal está por fazer. Em tempos, no site do Restaurante Helana, de Idanha-a-Nova (www.helana.com) havia uma informação relevante sobre este domínio. Na reformulação do site desapareceu essa informação e pelo que me foi possível constatar a utilização de cogumelos foi retirada da lista. Aqui fica informação relevante publicada no Jornal de Notícias de 3/11, mas também o Expresso reproduz informação sobre este domínio. Um dos produtos que os fabricantes de pizzas, mais conceituados, utilizam são os cogumelos em pó. Em Itália este produto encontra-se com facilidade, em Portugal só em casas muito especilizadas é possível encontrá-los. Os cogumelos são reduzidos a pó depois de secos. Em períodos de maior abundância, poderão ser transformados, por esta via, reduzindo a oferta e estabelizando os preços.


in: Jornal de Notícias
NÚMEROS
Desperdiçados benefícios dos cogumelos


Eduardo Pinto

Mais um Outono repleto de cogumelos silvestres, mais um ano sem legislação para o sector, mais uma corrida desenfreada a um recurso precioso, em que os intermediários são quem mais ganha com a venda. Portugal começa agora a despertar para esta potencialidade, mas Espanha, Itália, França e Suíça há muito a valorizam, comprando-a cá para consumir lá, em fresco, congelada ou em conserva de azeite.

Não que por cá não lucre quem o apanha e vende a intermediários. Cinco a 20 euros por quilo, limpos, não é propriamente valor desprezível para quem vive do magro sustento que a terra assegura. O problema é que o grosso da mais-valia não fica para eles.

Este o principal problema identificado pelo investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), Artur Cristovão. As populações não negligenciam o produto, uma vez que sempre lhe reconheceram valor alimentar, tantas vezes para substituir carne e peixe, bem mais caros. "A negligência está na gestão do recurso e aproveitamento económico que traga mais benefícios para as populações".

Falta de legislação

Num estudo desenvolvido há cerca de um ano, Cristóvão constatou que os intermediários portugueses ou comerciantes espanhóis situam-se, geralmente, logo à saída do bosque onde as famílias apanham os cogumelos. "Têm carrinhas e balanças, fazem uma triagem rápida e pagam o que entendem". O produto é a seguir vendido a diversas unidades, que se encarregam do seu processamento e o transportam para mercados onde são altamente valorizados.

A culpa é da "situação de alegalidade (inexistência de lei) no sector", aduz o presidente da Associação Micológica Pantorra, com sede em Mogadouro, Francisco Xavier Martins. "Temos alertado as entidades competentes, mas devem ter tido outras coisas em que pensar", atira. O tema voltará a estar em debate nas jornadas europeias sobre micologia que amanhã começam, em Bragança, e decorrem até dia 12.

Guilhermina Marques, docente da UTAD, adianta que já houve uma primeira tentativa de criar legislação, através de um conjunto de entidades que fizeram o ponto da situação do sector. "Em 2001, apresentámos os relatório com as linhas orientadoras ao Ministério do Ambiente, mas, com a alternância de governos, o processo ficou parado", denuncia.

Os investigadores defendiam que as pessoas que apanham cogumelos devem aprender algumas regras, pois há processos mais destrutivos do que outros. As quantidades colhidas também deveriam ser regulamentadas, bem como os tamanhos autorizados e os objectos permitidos para auxiliar a recolecção. A comercialização e transformação são outros pontos que deverão merecer a atenção do legislador.

Restaurantes aproveitam

O potencial gastronómico dos cogumelos começa já a ser aproveitado por restaurantes na região. É o caso do "Flor de Sal", em Mirandela. O gerente, João Paulo Carlão, orgulha-se de servir sempre cogumelos nas refeições. Apostado numa cozinha de qualidade, diz que procurou sempre informar-se dos melhores produtos regionais para os poder confeccionar no restaurante. "Os cogumelos são um deles".

O responsável abastece-se numa unidade de produção de diversos tipos de cogumelos, em Benlhevai (Vila Flor). A repolga, os boletus, as trufas, entre outros, acompanham qualquer refeição, seja como entrada, utilizados na confecção de um prato ou como sobremesa. Um jantar eno-gastronómico recente, com cerca de 80 pessoas, na maioria do litoral do país, teve como exigência repolga grelhada e arroz de boletus para acompanhar a carne. E, por vezes, revela João Paulo Carlão, "até servimos gelado de cogumelo".

Os cogumelos silvestres podem ainda desempenhar um importante papel de defesa dos castanheiros contra doenças como o cancro e a tinta. Guillhermina Marques adianta que os fungos micorrízicos provocam o envolvimento da raiz dos castanheiros com mecélio, o que provoca uma barreira física que impede o acesso a outros fungos. Daí que a mobilização dos solos esteja totalmente desaconselhada nos soutos.


50

mil variedades

de cogumelos estão identificadas em todo o Mundo. Em Portugal, estão identificadas cerca de 300 espécies. Pouco mais de uma dezena terá interesse gastronómico.

90%

de água na composição

da maioria dos cogumelos. Daí a sua fragiliade. Nascem, crescem,vivem e morrem no espaço de uma semana.


5

euros

é o preço médio pago por intermediários aos colectores pela maioria das espécies de cogumelos apreciadas no estrangeiro. No caso dos boletus, chegam a pagar 20 euros por quilo.

200

participantes

esperados nas jornadas micológicas que começam amanhã em Bragança, oriundos de Portugal, Espanha, França e Itália.

terça-feira, outubro 24, 2006

Outro Livro de Cunha Leal



Dedicatória
I N D I C E
Pág.
7
Prefácio ... 11
CAPÍTULO I
Os paradoxos da vida contemporânea 27
1. Da acção depressiva da educação na capacidade intelectual dos seres hu
27
2. 0 trânsito da tendência insurreccional
para um estado de mero inconformismo das massas populares 36
3. A ordem improgressiva e a desordem criadora 48
CAPÍTULO II
Em que se fala de autocracia e da teoria do ressentimento 57
1. Psicologia do autocrata 57 2. Uma estéril tentativa de domesticar
a opinião mundial 71 3. Uma unidade postiça em face de um
perigo real ... . 86


1. Em que se fala do Estado democrático 101
2. Um pouco de história pregressa 119
3. A revolução traída 138
1. A técnica e a cultura 167
2. Países plenamente desenvolvidos, me
182
dianamente desenvolvidos, subdesen
volvidos, quase selvagens e selvagens
3. Portugal, o Espaço Português e o
Mercado Comum Europeu 197
Anexos - O meu combate visto por um portu

guês, dois
espanhóis e um colombiano 221
1. Diz um português amigo 223
2. Diz um espanhol discordante ... 229
3. «Un autre son de cloche» de um
espanhol e de um colombiano 234
Composto e impresso na
Tip. LEANDRO, Lda.
Trav. do Noronha, 28 a 30-A
LISBOA

CUNHA LEAL
«Mas tu pensas que te vão deixar dizer isso tudo?» - pergunta-me alguém a quem confidenciei o plano deste livro e a minha firme intenção de o escrever e publicar. E acrescentou: «olha que tantas vezes vai o cântaro à fonte até que, um dia por id fica!» Ouvi-o atentamente e, encolhendo os ombros, retorqui-lhe: «mas, se esse é o destino de muitos cântaros, deixa que o que vou fabricar corra o risco de fracturar-se, se assim o determinarem, injustamente, a turbulência e a maldade humanas.»
8-IX-1962.
CUNHA LEAL

terça-feira, outubro 17, 2006

Banco de sementes

Na Beira Interior temos algumas variedades de sementes que deveria haver o cuidado de proteger e preservar, para garantir a biodiversidade e preservar a nossa identidade cultural. Refiro-me a variedades de fruta, maça, pera, ginja, abrunhos, romãs, diospiros, por exemplo, mas também a hortícolas. A introdução de novas variedades, frequentemente híbridas e pretensamente mais produtivas, tem conduzido ao abandono das variedades adaptadas ao nosso solo e ao nosso clima. A recuperação de variedades, como por exemplo a casta vinícola Fonte Cal, pelo Engº João Carvalho, em Carvalhal Formoso, ou da variedade de maçãs Lindo-pardo, tão apreciadas por Eça de Queirós, pelo Engº António Campos, em Oliveira do Hospital, deveria dar lugar a um levantamento e preservação mais sistemáticos. O Feijão frade da Lardosa, os tomates e morangos do Corriscão, as variedades vinícolas, os malápios, as maças espelho e tantas outras variedades deveriam merecer mais atenção e estudo.

sexta-feira, outubro 13, 2006

Francisco da Cunha Leal (1888-1970)


Encontrei, recentemente, uma publicação de Cunha Leal, que li na juventude, acervo da biblioteca de um familiar e que agora tive oportunidade de adquirir num alfarrabista. Trata-se de uma publicação de 1961, edição do autor, editada muito próximo do 4 de Fevereiro de 1961 e em que o autor expressa o seu pensamento sobre a política colonial e o início do movimento de libertação em Angola-por ele designado de outra forma. Embora em desacordo com o seu pensamento, trata-se de um beirão que merece ser conhecido e tido como exemplo, pela sua verticalidade, honestidade, defesa da democracia e por ter pugnado pelos seus ideias..





Leal, Francisco da Cunha. Político português (Pedrógão, Penamacor 22.8.1888-Lisboa 26.4.1970). Engenheiro militar, foi director-geral dos Transportes Terrestres, ministro das Finanças (1920 e 1923), chefe do governo, ministro do Interior (1921-1922) e reitor da Universidade de Coimbra (1924-1925). Em 1923 defendeu o estabelecimento de uma ditadura e tornou-se líder do Partido Nacionalista; em 1925 fundou a União Liberal Republicana. Após a revolução de 28.5.1926 demitiu-se do exército, mas aceitou ser governador do Banco de Angola (1927-1930). Jornalista desde a juventude, foi director de 0 Popular 1921, 0 Século 1922-1923, A Noite e Vida Contemporânea 1934-1935. Irrequieto e apaixonado, manteve sempre um ousado espírito de oposição.
In: Lexicoteca, Círculo de Leitores, Tomo XI


“Ora tudo quanto em mim possa haver de válido em matéria de pensamento e em dons divinatórios me impele a repetir sem descanso e em termos bem claros que é cada vez mais urgente mudar de rumo no tocante à nossa política colonial, não para nos submetermos às cominações de negros ou de brancos, os primeiros sem ciência, os segundos sem consciência, mas sim para respeitarmos as obrigações estritamente decorrentes de uma missão civilizadora plurissecular, de cujos resultados leg'ztimamente nos orgulhamos, quando nos referimos ao Brasil, renegando-os, contudo, paradoxalmente em relação aos nossos outros domínios ultramarinos. Nem o vácuo, que alguns querem criar vertiginosamente em Angola, nem o falseamento por antecipação, igualmente apressada, da vontade das populações indígenas, ainda muito arredadas da capacidade necessária e suficiente para saberem escolher o seu destino com conhecimento de causa -tal é a posição que pode conciliar os nossos direitos com os dos povos tutelados e com as ideias dos tempos correntes, naquilo em que elas não ultrapassem as raias da coerência e da dignidade.”

terça-feira, outubro 10, 2006

Giacometti em trabalho de campo

Ficha de registos sonoros-Cnonologia e distribuição geográfica das recolhas - Gravando sons da lavra






segunda-feira, outubro 09, 2006

A canção popular portugusa em Fernando Lopes Graça









A Editorial Caminho acaba de colocar no mercado "A Canção Popular Portuguesa em Fernando Lopes Graça", da autoria de Alexandre Branco Weffort. Transcrevo algumas das referências à Beira Baixa. Para quem se interessa pela Etnomusicologia na Beira Baixa, não pode deixar de ler e utilizar como ferramenta de trabalho este excelente trabalho, publicado no âmbito das comemorações do centésimo aniversário do nascimento de Fernando Lopes Graça. As referências à Beira Baixa são inúmeras. Acompanha o livro um CD-ROM de excelente qualidade.



A Editorial Caminho e Alexandre Branco Weffort agradecem às seguintes pessoas e instituições a gentil cedência dos materiais mencionados:
Registos sonoros:
Museu da Música Portuguesa/Casa-Museu Verdades de Faria:
Recolhas de E Lopes-Graça em S. Miguel d'Acha, Donas e Paul
Interpretações de canções para voz e piano - Arminda Corrêa/E Lopes-Graça:
Agora é que ela vai boa
Cantilena de abaúlar (I)
Ih! Quando o meu pai morreu
Lavra, boi, lavra
Meu amor me deu um lenço
Nossa Senhora das Neves
O malhão, triste malhão (1)
Ó minha amora madura
Ó Serpa, pois tu não ouves
Ó, ó, mnenino, ó
Senhora do Almurtão (I)
Acervo particular de Alexandre Branco Weffort


Beira Baixa
34 Acordai, se estais dormindo 237
12 Ai, ó divina Santa Cruz 212
48 Ai, recorda, ó pecador 254
119 Aproveitai a azeitona 338
47 Bendita e louvada seja 252
2 Bendito «das trovoadas» 200
135 Cantemos o São João 359
52 Cantiga da Atalaia 259
26 Cantiga do Entrudo 228
36 Deus lhe dê cá as boas noites 239
6 Era ainda pequenina 204
38 Estas casas são mui altas 241
35 Inda agora aqui cheguei 238
59 Já os passarinhos cantam 267
128 Já são horas da merenda 349
78 José embala o menino 288
126 Loureiro, verde loureiro 346
86 Meu coletinho aos ramos 296
37 Moradoras desta casa 240
19 Não se me dá que vindimem 220
108 Nossa Senhora das Neves 325
106 Nossa Senhora do Carmo 323
118 Nossa Senhora do Souto 337
13 O conde de Alemanha 213
138 O meu São João Baptista 362
53 0 milho da nossa terra 260
46 Oh, almas que estais dormindo 251
62 Oh, que calma vai caindo 270
87 Oh! Senhora do Amparo 299
124 Os amores da azeitona 344
45 Recordai, ó irmãos meus 249
43 Rezemos um Padre Nosso 247
8b Romance de Santa Iria 207
18a Senhora da Póvoa 218
18b Senhora da Póvoa 219
67 Senhora das Neves da Malpica 276

domingo, outubro 08, 2006

Cirilo de Jesus-Centroliva- Vila Velha de Rodão primeiro empresário da Biomassa

A Centroliva, de Vila Velha de Rodão, foi a primeira unidade industrial a produzir energia eléctrica, a partir da Biomassa e a vender a produção à EDP. A Beira Baixa tem licenças para instalar 4 centrais de biomassa de 2, 3, 10 e 10 mw de energia. Mas, está em funcionamento a Centroliva que produz 2mw, suficientes para abastecer uma localidade com 5000 habitantes.

Morreu Joaquim Cardoso-Industrial - MACONDE

Joaquiom Cardoso nasceu no Tortosendo em 1938 e faleceu em Seattle, EUA, em 29 de Setembro. Esteve ligado como, operário, à industria textil da Covilhã. Quando a sua empresa entrou em crise conduziu um processo de aluguer da empresa em trabalhava, ao seu anterior patrão. Posteriormente trocou a Beira pelo Douro Industrial onde conduziu o processo de afirmação e expansão da maior empresa exportadora de têxteis portugueses, A MACONDE. Em 2002 saiu da MACONDE e passou a ser responsável pelas Colecções da cadeia Feira Nova e criou uma rede de lojas de distribuiçÕ PRÓPRIA, Acetato. Foi sócio, até à morte do Unidos FC do Tortosendo, onde se inspirou, até à morte, numa máxima aí colocada " A solidariedade humana não é palavra vã, se queres encontrar uma mão amiga que te proteja e ajude, procura-a na extremidade do teu braço". Grande homem, grande empreendedor, grande empregador, a Beira fica mais pobre, com o seu desaparecimento. Que outros sigam o seu exemplo.

sábado, outubro 07, 2006

Dia Mundial dos Castelos

in: Público
Património
Castelos portugueses se fossem postos à venda tinham dezenas de compradores
07.10.2006 - 17h21 Lusa


Os castelos portugueses se fossem postos à venda teriam dezenas de compradores, incluindo estrangeiros, o que podia ajudar a manter este património, afirmou hoje o presidente da Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, Francisco Sousa Lobo.

Estes monumentos "vêem-se de longe, marcam a paisagem e atraem as pessoas", adiantou o responsável que falava aos jornalistas em Évoramonte, concelho de Estremoz, onde decorrem hoje as comemorações do Dia Nacional dos Castelos.

Sousa Lobo lembrou que em Portugal os castelos são quase todos do Estado, contando-se pelos dedos das mãos o número de castelos, fortalezas ou torres que são propriedade privada.

A sua concessão a privados, disse, podia "ajudar a manter esse património".

As comemorações do Dia Nacional dos Castelos têm como palco a histórica vila alentejana de Évoramonte, cujo castelo foi construído há 700 anos.

O vereador da cultura da Câmara Municipal de Estremoz, João Carlos Chouriço, explicou que o município pretendeu integrar as celebrações do Dia Nacional dos Castelos nas actividades comemorativas dos 700 anos do castelo de Évoramonte.

O programa comemorativo incluiu um conjunto de conferências relacionadas com a histórica localidade, a apresentação de um livro sobre o castelo de Évoramonte, com textos de diversos autores, e o percurso do imaginário.

Um jantar medieval hoje na Torre/Paço Ducal do castelo de Évoramonte com animação da época completa o programa da iniciativa cultural.

O evento contou com cerca de 200 participantes, entre os quais o capitão de Abril Otelo Saraiva de Carvalho.

A Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, que visa a defesa e salvaguarda do património histórico militar, segundo o seu presidente, pretende contactar os municípios com castelos e sensibilizá-los para se associarem, em 2007, às comemorações do Dia Nacional dos Castelos com o intuito de este evento cultural decorrer em diversos locais.

As comemorações deste ano do Dia Nacional dos Castelos resultaram de uma organização conjunta da Câmara Municipal de Estremoz e Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos, com o apoio do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) e Liga dos Amigos do Castelo de Évoramonte.

O Dia Nacional dos Castelos foi também comemorado em Lisboa, no Castelo de São Jorge.

sexta-feira, outubro 06, 2006

Portas de Rodão-Património Natural

in: Diário xxi
Sexta-Feira, 06 de Outubro de 2006
Resultado de candidatura conjunta das câmaras de Vila Velha de Ródão e Nisa

O Instituto da Conservação da Natureza aprovou o projecto reconhecendo a singularidade do espaço e a necessidade de o salvaguardar
O Instituto da Conservação da Natureza (ICN) deu luz verde, há duas semanas, à candidatura das câmaras de Vila Velha de Ródão e Nisa para a classificação das Portas de Ródão como monumento natural. Com esta classificação serão criadas medidas que visam a conservação e protecção do território estudado e proposto.
“Preservar os valores naturais, cénicos e culturais existentes, garantindo o equilíbrio paisagístico e assegurando a articulação entre o natural e o humanizado” são alguns dos objectivos da candidatura agora aprovada, refere ao Diário XXI Maria do Carmo Sequeira, presidente da Câmara de Vila Velha de Ródão. A autarca diz ainda que a classificação permite qualificar toda a zona deste monumento natural e “definir o que se pode fazer, em vez de assinalar proibições”. Assim, “toma-se o partido das mais valias ambientais e paisagísticas”, tal como “sensibilizar as populações para práticas de florestação correctas”.
A próxima etapa passa pela criação, pelas duas câmaras, de um projecto de decreto regulamentar, a entregar no ICN nos próximos seis meses, “para que fique detalhado o regulamento de todas as actividades permitidas e recomendas para a área abrangida”, descreve Maria do Carmo Sequeira
Juntando a actual classificação com o facto das Portas do Ródão serem um dos 16 monumentos do Geoparque Naturtejo, a autarca conclui “que o concelho vai poder dar um salto no plano turístico e económico”.

ESTUDOS SUPORTARAM CANDIDATURA
Para suportar a candidatura apresentada em 2005, Maria do Carmo Sequeira recorda que foram elaborados estudos aprofundados, realizados por técnicos especializados em matérias como geologia, biologia, história, arqueologia, entre outras, que resultou num documento base, enviado ao ICN.
A área abrangida tem cerca de mil e 300 hectares e está centrada nas escarpas de Portas de Ródão, no fundo das quais passa o Rio Tejo, cujo relevo singular sustentou a candidatura.
Apesar das tentativas, não foi possível ouvir sobre esta matéria Gabriela Tsukamoto, presidente da Câmara de Nisa, até ao fecho desta edição.

O que é um monumento natural?
Segundo o ICN, um monumento natural é “uma ocorrência natural contendo um ou mais aspectos que, pela sua singularidade, raridade ou representatividade em termos ecológicos, estéticos, científicos e culturais, exigem a sua conservação e a manutenção da sua integridade”. Para além das Portas do Ródão, os monumentos naturais actualmente classificados são: Ourém/Torres Novas (integrado no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros), Carenque, Pedreira do Avelino, Pedra da Mua e Lagosteiros (os dois últimos integrados no Parque Natural da Arrábida).

segunda-feira, setembro 25, 2006

Integração em rede do património da Beira Interior

in: Diário xxi de 25/9/2006
Redes de património precisam-se
Segunda-Feira, 25 de Setembro de 2006
Seminário realizado no Fundão lança desafio aos municípios

No âmbito das Jornadas Europeias do Património, o vice-presidente do IPPAR apelou à constituição de redes de promoção, porque cada município não possui património suficiente “para ser um pólo de atracção por si só”
Daniel Sousa e Silva

“São os factores culturais que nos distinguem das restantes comunidades” e dizê-lo “não é nacionalismo bacoco”. A ideia foi destacada por Henrique Parente, vice-presidente do Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR), na sessão de abertura do seminário “Cartas e Recomendações Internacionais de Património” na última sexta-feira, na Biblioteca Eugénio de Andrade, no Fundão. Tratou-se de uma das muitas actividades de entrada gratuita que tiveram lugar até ontem na região – foram 550 em todo o País – no âmbito da 13ª edição das Jornadas Europeias do Património. Esta iniciativa anual do Conselho da Europa e da União Europeia envolve mais de meia centena de países, com o intuito de sensibilizar os povos europeus para a importância da salvaguarda do património. Em Portugal, a coordenação foi da responsabilidade do IPPAR e subordinada ao tema “Património Somos Nós”.
Henrique Parente sublinhou que o património “é um recurso histórico, mas também económico”, por isso, apelou à cooperação entre municípios. “Não basta haver SCUTs [auto-estradas sem custo para o utilizador], é preciso haver promoção da sustentabilidade do património numa perspectiva regional”. Nesse sentido, defende que cada concelho “deixe de olhar apenas para o seu umbigo, apostando antes na promoção em rede”, já que a maioria dos municípios não possui património suficiente “para ser um pólo de atracção por si só”.

EDUCAR PARA GARANTIR O FUTURO
Henrique Parente é também apologista da “estratégia do IPPAR” que se baseia na sensibilização das crianças para a importância do património. Acções nas escolas de ensino básico são um exemplo, para que “as crianças se tornem no principal pólo de defesa do património”.
Pelo mesmo diapasão afinou José Afonso, director regional de Castelo Branco do IPPAR. “A Beira Interior possui uma identidade cultural comum que deve ser potenciada através da constituição de redes de promoção entre municípios”, frisou.

Reunião de trabalho a 9 de Outubro
Presidente do IPPAR visita Fundão
À margem do seminário, o presidente da Câmara do Fundão, Manuel Frexes, anunciou que Elísio Summavielle, presidente do IPPAR, vai deslocar-se à cidade fundanense para “uma reunião de trabalho” com responsáveis autárquicos. “Vão ser abordados vários assuntos de interesse para o município e para o IPPAR, mas ainda é cedo para os revelar”, disse o autarca. Estava previsto que o presidente do IPPAR estivesse presente no seminário de sexta-feira, mas cancelou a visita “por motivos de força maior”.

Devolver património às populações
Manuel Frexes, presidente da Câmara do Fundão, entende que “é preciso inovar na promoção do património, porque muitos conceitos de divulgação estão obsoletos”. Uma das sugestões do autarca é de que, “para além de se promoverem as ligações às vertentes científica e turística, os espaços patrimoniais sejam devolvidos às populações”.
Por outro lado, Frexes considera que “têm de ser” as entidades públicas a dar o exemplo na preservação do património, pois “só assim serão seguidas pelo cidadão comum”. E dá o exemplo da Câmara do Fundão, como “um município que tem tido a causa do património como um dos seus ex-libris”.

terça-feira, setembro 19, 2006

BoomFestival 2006-Ecofestival

Newsletter da organização:

Hello to all visionary beings,

THANK YOU so much for your delicious mood and creative energy that made Boom 06 one of the most special ones so far – once again acting in Unison we enhanced our creativity! WE ARE ONE. So be it!

The August full Moon was memorable for most of us: artists from different areas - be it multimedia, land art, music, decoration or paint – all adding their talent into the melting pot and expanding the network; thinkers from all over the world crossed over their latest reflex-ions and presented pathways on the evident and hidden dimensions of (un)reality through the Liminal Village; a multicultural crowd interconnected and got together sharing experiences and knowledge through words, behaviors, gestures and non verbal communication;



Eco-visions?

Permeating all the above experiences the Boom enhanced itself on the way to be self-sustainable and eco-friendly in the near future.

In this point we must say that, despite HUGE efforts, the Boom venue was left filled with trash when the festival ended. Too much garbage was left behind. Sad!!

More then 250,000 € have been spent on several ecological projects (from cleaning to rubbish and sewer bio-treatments) during the Boom, but the individual behaviors must play an increasing part on this adventure. There is a huge amount of people that was helpful on feeding the eco-networks within Boom but some other people just didn't care about the negative effects one has on Nature if acting without respect.

So we must stress: Use celebration not for alienation but for improvement - be it either thru arts perception or acquiring new values. Celebrate!



Present visions:

For most of you Boom is a memory but here at the Boom HQ we are still on the move with it. The field teams are finalizing the deconstruction of all structures (yes, it has been difficult to take apart all elements of those majestic bamboo structures made by a Balinese team).

This year we have been able to recover and preserve around 90% of all the material used. So the Boom is nearly becoming a self sufficient event on the building scale. Most of the materials will be reused and none will have created trash in its way.



Visionary Elucidations:

Boom will now transfer its vision to cyberspace alongside all your individual memories.
Soon the official website will be updated and we'll give you contents and important features on the visionary culture. Be Tuned into Cyberspace and check soon the new Boom cyber house!

Boom is a cooperative event that wants to be a part of you! Please if you want to share with us your reviews, photos, videos, etc send it to: info.boomfestival.org



Soon more news!...



Boom Team



For more info: www.boomfestival.org

quarta-feira, setembro 13, 2006

As SCUT em debate

No próximo dia 18 de Setembro, pelas 21h, na sede da Ordem dos Economistas, realiza-se uma conferência/debate sobre o tema SCUTS - Uma análise económica.

Nesta conferência/debate participarão os Professores Marvão Pereira do College William and Mary, EUA e Miguel Andraz da Universidade do Algarve, co-autores de um estudo sobre as SCUTS promovido pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento (IED), bem como outros Economistas com posições publicamente conhecidas sobre este tema, o que garante um debate vivo, mas essencialmente técnico, sobre este polémico assunto. O debate será moderado pelo Dr. João Vieira Pereira, editor de economia do Semanário Expresso.

quinta-feira, setembro 07, 2006

Casa João Franco

Depois da casa Cunha Leal, novas notícias do Alcaide, agora relativamente à casa João Franco. Para colocar a cereja no bolo falta mesmo é o aproveitamento cultural da casa de D. Fernando de Almeida. Esperemos que não tarde....


in: Jornal do Fundão

SECÇÃO: Regional

Para dar a conhecer a aldeia
Centro interpretativo na Casa João Franco
A CONSTRUÇÃO de um Centro Interpretativo está englobada na segunda fase do projecto de aldeia, da Rota das Aldeias Tradicionais.

Está previsto que este espaço vá para os baixos da Casa João Franco, “uma das casas mais significativas do Alcaide, que a par com a Casa Cunha Leal” conferem um valor muito especial a esta aldeia.

No Alcaide está presente uma relação muito interessante entre Monarquia (por João Franco) e República (por Cunha Leal), “característica que queremos trabalhar”, conta o vereador Paulo Fernandes. O responsável pela cultura adianta ainda que “se está a fazer um levantamento do arquivo histórico do Alcaide com a Universidade Católica de Lisboa” que tem um acervo documental muito bom sobre a aldeia e João Franco. Além disso, neste Centro prevê-se também documentar a actividade agrícola de Alcaide, muito ligada à cereja e ao azeite.

Casa de Cunha Leal reconvertida para o Turismo

Cunha Leal, que desenvolveu intensa actividade política na I República, foi um feroz opositor da ditadura Salazarista, conhecendo o exílio, em resultado da sua actividade. Sob o ponto de vista do pensamento, era muito próximo de Norton de Matos e Henrique Galvão, principalmente ao nível da oposição à emancipação das colónias. A sua casa no Alcaide, fronteira à Igreja Matriz, estava em recuperação, na última vez que visitei o Alcaide.

in: Jornal do Fundão
SECÇÃO: Regional

Na casa Cunha Leal, nome da I República
Alcaide vai ter museu da terra e restaurante típico

Inserida na Rota das Aldeias Tradicionais, a Casa Cunha Leal, que está a
ser alvo de obras de recuperação vai albergar um restaurante típico e um museu



A CASA Cunha Leal, situada em frente à Igreja Matriz da aldeia, “é o projecto mais emblemático” que está em desenvolvimento, neste momento, no Alcaide. Quem o diz é José da Cruz, presidente da Junta de Freguesia.

Apesar da recuperação estar a ser feita há algum tempo, as obras estiveram paradas durante vários meses, por razões que o autarca local garante serem completamente alheias à Junta, estando relacionadas com o empreiteiro encarregue da obra.

Naquele edifício, “uma das casas mais significativas de Alcaide”, segundo Paulo Fernandes, vereador da Câmara Municipal do Fundão, irá nascer um museu alusivo às actividades e tradições da terra e um restaurante típico. Depois de a obra estar acabada, será aberto um concurso para decidir quem irá explorar o espaço hoteleiro, sendo objectivo do executivo ”construir ali um dos melhores restaurantes do concelho, com pratos regionais de qualidade”.

A conclusão da obra está prevista para o final deste ano, apesar de estar um pouco atrasada. A casa pertencia à família Cunha Leal, tendo uma parte sido oferecida pelos herdeiros e a outra adquirida pela Junta.

Este projecto está integrado num programa que vem sendo desenvolvido pela autarquia fundanense e que nasceu há cerca de dois anos.

É a Rota das Aldeias Tradicionais, que se divide, sumariamente, em três fases: a primeira é a recuperação, a segunda a valorização e a terceira apresenta uma componente de ordenamento do património da aldeia.

O espaço que ali vai nascer terá certamente uma temática e ambiente relacionados com a I República – dado que o proprietário da casa foi um nome de vulto da altura – e a própria carta gastronómica estará também, de alguma forma, ligada a esta época da História de Portugal, como explicou o responsável pelo pelouro da cultura da Câmara do Fundão.

Inserido neste programa esteve também a recuperação da Praça Comendador Joaquim Gil Pinheiro, que José da Cruz garante “não estar ainda ao nosso gosto”, pelo que a Junta prevê reajustar alguns pormenores.



Nelly Caetano

sábado, agosto 26, 2006

Mosaicos Romanos na colecção dos Museus Portugueses

Até 10 de Setembro, no Museu Nacional de Arqueologia exposição de Mosaicos ramanos da coleccção de Museus Portugueses

quinta-feira, agosto 17, 2006

Continuação dos Registos sonoros de Giacometti, recolhidos na Beira Baixa

Nº Rg. Título Interv. Tempo
1964 Ó Divina Santa Cruz 1:32
1965 Debaixo da Laranjeira 2:02
1966 Debaixo da Laranjeira Adufe 1:05
1967 Ó Divina Santa Cruz 1:32
1968 Eu venho de marcelada(referência a Salazar) Adufe, foguetes 1:26
1969 Toque de Búzio(azeitona) Búzio 0:28
1970 Os amores da azeitona 1:59
1971 Palheta-José dos Reis -Senhora da Póvoa Palheta 1:16
1972 Palheta-José dos Reis -Senhora da Póvoa Palheta 1:44
1973 Palheta-José dos Reis 1:19
1974 José embala o menino Voz feminina 1:00
1975 José embala o menino Voz feminina 0:51
1976 José embala o menino Voz feminina 2:56
1977 Acordai irmãos meus Coro misto 3:53
1978 Acordai irmãos meus Coro feminino 3:42
1979 Bendito e louvado seja Coro feminino 2:24
1980 A Luz? Coro feminino 0:57
1981 A Luz? Coro feminino 0:56
1982 Canto da lavra Voz de ganhão 3:43
1983 Canto da lavra Voz de ganhão 4:56
1984 Recorde senhor prior Adufe 1:29
1985 Recorde senhor prior Adufe 2:13
1986 Aí donde vindes S. João Adufe, voz feminina 1:48
1987 Aí donde vindes S. João Adufe, voz feminina 1:49
1988 Senhora do almurtão Adufe, voz feminina 1:32
1989 Ò Divina santa Cruz Adufe, vozes femininas 2:00
1990 Oh que noite tão escura Adufe, vozes femininas 1:44
1991 De volta do rio nascem Adufe, vozes femininas 2:15
1992 De volta do rio nascem Adufe, vozes femininas 2:25
1993 Estas casas são mui altas Adufe, vozes femininas 1:06
1994 Venho de marcelada Adufe, vozes femininas 1:56
1995 Lá em cima ao castelo Adufe, vozes femininas 1:30
1996 Lá em cima ao castelo Adufe, vozes femininas 1:29
1997 Ó arvoredo fechado Adufe, vozes femininas 1:29
1998 A margaça é má erva Adufe, vozes femininas 1:48
1999 O Vos Omnes Voz feminina 1:41
2000 José embala o menino Voz feminina 2:53
2001 No cimo daquela serra Voz feminina 4:00
2002 Linda pastorinha Voz feminina 6:50
2003 No cimo daquela serra Voz feminina 3:56
2004 Abram-se essas portas Voz feminina 1:57
2005 Indo D. Silvana Voz feminina 1:34
2006 Vindo o lavrador da arada Voz feminina 1:23
2007 Palheta-José dos Reis Palheta 1:04
2008 Palheta-José dos Reis Palheta 0:44
2009 Palheta-José dos Reis Palheta 1:04
2010 Palheta-José dos Reis Palheta 0:22
2011 Palheta-José dos Reis Palheta 1:23
2012 Palheta-José dos Reis Palheta 0:35
2013 Palheta-José dos Reis Palheta 4:14
2014 Mais vos peço irmãos Campainha e coro feminino 7:47
2015 Mais vos peço irmãos Campainha e coro feminino 5:04
2016 Dai-me as alvíssaras senhora Coro misto 0:49
2017 Dai-me as alvíssaras senhora Coro misto 2:47
2018 Dai-me as alvíssaras senhora Coro misto 2:41
2019 Lá em cima ao Altar Mor Voz feminina 3:15
2020 Lá em cima ao Altar Mor Voz feminina 0:50
2021 Lá em cima ao Altar Mor Voz feminina 3:14
2022 S. João que estais no Céu(S. João do Rancho) Coro misto 2:40
2023 Bombos e flauta de tamborileiro Bombo, flauta 1:58
2024 Bombos e flauta de tamborileiro Bombo, flauta 2:00
2025 O Vos Omnes Voz feminina 4:49
2026 Inda agora aqui Cheguei Coro misto 1:59
2027 Do meu milho sachadeiras do meu milho Coro misto 2:10
2028 S. João que estais no Céu Coro misto 3:11
2029 Eu tenho quatro coletes(Coletinho) Coro misto 1:12
2030 Eu tenho quatro coletes(Coletinho) Coro misto 1:09
2031 O Vos Omnes Voz feminina 4:31
2032 O Vos Omnes Voz feminina 4:26
2033 Flauta e tambores e vozes Flauta e tambores e vozes 2:49
2034 Flauta e tambores e vozes Flauta e tambores e vozes 3:51
2035 Flauta e tambores e vozes Flauta e tambores e vozes 1:26
2036 Flauta e tambores e vozes Flauta e tambores e vozes 2:11
2037 Som de trovoada e chuva 2:40
2038 Mais vos peço meus irmãos Campaínha e Vozes 4:14
2039 Mais vos peço meus irmãos Campaínha e vozes 2:12
2040 Em honra e louvor de nosso Padre S. Francisco Coro misto 2:27
2041 Lá em cima ao Altar Mor Coro misto 3:16